Archive for the ‘Vergonha’ Category

Custo de novos vereadores será de R$ 214 milhões

De Cristiane Jungblut para O Globo

A criação de mais 7.343 vagas de vereadores custaria, só com os salários, pelo menos R$ 214 milhões por ano. A emenda constitucional que cria essas vagas foi aprovada na Câmara e no Senado. A promulgação da emenda, para que entrasse em vigor, foi vetada pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, que não concordou com a alteração feita pelos senadores, que excluíram a redução das verbas destinadas às câmaras municipais. A questão está em análise no Supremo Tribunal Federal (STF).

O cálculo do custo foi feito com base no subsídio médio mensal de R$ 2.240 que os vereadores recebem na atual legislatura, segundo estimativa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

Se entrasse em vigor em janeiro, os valores poderiam ser ainda maiores, porque a cada início de legislatura os subsídios são redefinidos. A estimativa de R$ 214 milhões leva em conta apenas os 13 salários que os vereadores receberiam durante um ano. A inclusão de outros benefícios dados a eles, além da contratação de servidores comissionados, elevaria as despesas para mais de R$ 250 milhões.

A expectativa de 7.343 candidatos a vereador que não se elegeram em outubro, e ficaram com suplentes, era a de que, com a aprovação da emenda constitucional eles tomariam posse em fevereiro. Mas a polêmica se instalou depois que o Senado derrubou justamente o artigo que reduzia o limite de gastos com as câmaras municipais: a Câmara aprovara redução de 8% para 4,5% do orçamento municipal – o teto para os gastos com o legislativo municipal.

Anúncios

Jornalistas de Montes Claros 1: Vi, li e não gostei

aldeci

Li na coluna do Aldeci Xavier:

De Primeira Hora

· Tomando como base o dito popular de que cada caso é um caso, por questão de justiça vale ressaltar que entre as diversas lideranças que estiveram na embarcação de Tadeu Leite e obtiveram ou não êxito nas urnas é importante que a história reconheça o papel dos vereadores Athos Mameluque, Fátima Pereira e Rosemberg Medeiros que durante os quatros anos do governo do prefeito Athos Avelino permaneceram na oposição. O interessante é que esses sacrificaram suas eleições em decorrência do posicionamento assumido. O registro é importante, levando em consideração que neste momento que antecede o início de uma nova administração, essas pessoas devem ter o trabalho reconhecido, não sendo colocados em vala comum.  Muitos que esconderam a mão neste período, ou até mesmo durante a campanha do prefeito eleito Tadeu Leite, agora fazem questão de aparecer na foto.

Não Aldeci, não concordo com você. Aliás, raramente concordo com você! Te acho completamente parcial e rimos muito à época das eleições dos seus comentários. É incrível como você muda de opinião tão rapidamente (não critico quem muda de opinião, isso até pode ser sinal de evolução).

Não concordo com você porque acho que um prefeito eleito pelo povo não deve fazer suas escolhas pelos companheiros de primeira hora. Afinal, não foi este o erro maior do prefeito Athos Avelino?

Não concordo com você porque você acha que quem passou os quatro anos da administração na oposição deve ter lugar na administração. Isso não é mérito nem credencia ninguém para assumir função pública.

Não concordo com você porque não acho que estes vereadores sacrificaram suas eleições por posicionamento de oposição assumidos. Sacrificaram por uma série de motivos, mas principalmente porque estavam envolvidos na operação “Pombo Correio” da Polícia Federal e foram presos por desvio de dinheiro público. Assim como Lipa Xavier, Ademar Bicalho, Aurindo Ribeiro, Raimundo do INSS e Marcos Nem. Todos eles tiveram menos votos que na eleição anterior e a maioria não foi eleito.

E ainda não concordo com você quando fala que sacrificaram sua eleição por sua posição política. Sacrificaram sua eleição por falta de competência.

Enfim Aldeci, vamos torcer sinceramente para que as escolhas do próximo prefeito não sejam como as suas e como a do atual prefeito Athos, que em detrimento da competência e de outras virtudes, escolhe sua equipe baseado no fato de ”serem companheiros de primeira hora”.

Ainda na mesma coluna do Aldeci, li também:

Homenagem

· E falando na vereadora Fátima Pereira, na reunião de ontem, terça-feira, o vereador Ademar Bicalho deu prova do reconhecimento do trabalho da vereadora ao propor homenageá-la com a medalha de Mérito educacional professora Maria Aparecida Bispo de Moura. O projeto de resolução foi aprovado por unanimidade. Diga-se de passagem, Fátima escreveu seu nome na história regional, ao iniciar a revolução do setor de educação no Norte de Minas.

“Diga-se de passagem”, Fátima Pereira foi demitida a bem do serviço público quando ocupava a função de Delegada Regional de Ensino. Fátima responde a vários processos na justiça, já tendo sido inclusive, condenada em alguns (Veja AQUI) . Fátima foi presa na Operação Pombo Correio da Polícia federal e responde a Ação Civil Pública por isso.

Mas pensando bem, se o prefeito reeleito de Unaí Antério Mânica, acusado de ser o mandante da “chacina de Unaí” recebeu a Medalha do Mérito Legislativo da Assembléia de Minas e Jairo Ataide, acusado de “quebrar” a Cooperativa de Montes Claros recebeu homenagem da Confederação das Cooperativas pelos “relevantes serviços prestados”, tem mesmo a ver essa homenagem à Fátima Pereira.

Kibado do Política de Buteco

PS: Este texto entra para a minha coleção “Post´s que queria ter escrito” (rsrsrsrsrsrs). Parafraseando Lula, Aldeci sifu! Cada dia mais eu amo esses caras do PB.

Que time é teu?

O repórter Sandro Gama da Band deu bobeira. Na espera da coletiva do Vasco da Gama ele pegou o microfone e… Não vou contar não. Veja você mesmo. Ô imprensa esportiva brasileira VAGABUNDA.

Ministros ficam na linha de tiro no Rio

trembala.jpg

 
Bandidos da Favela do Jacarezinho atacaram a tiros, por duas vezes, o trem em que viajavam os ministros das Cidades, Márcio Fortes, e da Secretaria dos Portos, Pedro Brito, ontem, no Rio de Janeiro. Eles foram inaugurar um trecho revitalizado da linha férrea, para levar cargas até o Porto do Rio. Em pânico, os ministros e os 70 passageiros tiveram de se jogar no chão.PS: Oh país da piada pronta, sô. É o PT criando o “trem-bala” no Rio de Janeiro.

O trabalhador brasileiro e suas férias

ferias.jpg

 Matéria de Peri de Castro para a REvista EXAME:

Férias e feriados parecem passar sempre rápido demais, mas os brasileiros aparentemente têm pouco a reclamar nesse sentido, pelo menos quanto ao que determina a lei. Numa pesquisa sobre legislação trabalhista realizada em 33 países da Europa e da América Latina pela consultoria americana Mercer Human Resources, o Brasil aparece como vice-campeão mundialde folgas. 

Os trabalhadores brasileiros têm direito assegurado oficialmente a 40 dias de folga, em média, levando-se em conta os 30 dias de férias e os dez “dias festivos” nacionais – os feriados que valem para todos os Estados.

Esse número deixa o Brasil à frente de 39 países, na lista da consultoria, e atrás apenas da Finlândia, com 44 dias de descanso por ano. Empatados com os brasileiros no ranking dos dias não-trabalhados estão a os franceses e os lituanos, ambos com 40. Na América Latina, os brasileiros são os mais “descansados”.

País Total (dias)
Finlândia 44
Brasil 40
Lituânia 40
França 40
Argentina 39
Malta 38
Áustria 38
Estônia 38
Grécia 37
Chipre 36
Eslovênia 36
Espanha 36
Polônia 36
Suécia 36
Dinamarca 35
Luxemburgo 35
Eslováquia 35
Venezuela 35
Alemanha 34
Portugal 34
Hungria 33
Colômbia 33
Bulgária 32
Itália 31
Letônia 31
República Checa 31
Chile 30
Bélgica 30
Irlanda 29
Países Baixos 28
Romênia 28
Reino Unido 28
México 22

A boa posição no ranking, no entanto, não significa comemoração para todos. Mesmo no universo de trabalhadores com carteira assinada, uma fatia muito significativa jamais consegue usufruir desses 40 dias, de acordo com o diretor de desenvolvimento e negócios da Mercer, Marcelo Ferrari.

“O número é uma base legal, é a teoria, mas na prática, a gente sabe que boa parte dos funcionários das empresas vende um terço ou mais dos dias a que tem direito, por razões econômicas, e que outra parcela grande nunca consegue tirar os 30 dias de férias porque a dinâmica de trabalho não permite que a pessoa fique tanto tempo afastada”, explica.

Para o consultor, também é fundamental levar em conta que não é o número de dias de folga que determina o ritmo da economia de um país, mas sim como os dias trabalhados são aproveitados. Nos países de produtividade elevada – aqueles com alto nível educacional, governo eficiente e empresas com processos de gestão avançados – é possível trabalhar por menos horas ao longo do dia e por menos dias durante o ano sem ficar para trás em termos de competitividade.

“Na Suécia, o número de folgas anuais chega a 36, próximo aos 40 do Brasil, mas a cultura de planejamento a longo prazo e de espírito coletivo deles é muito mais desenvolvida. Não existe, essa idéia de que tudo ‘é para ontem’, como aqui porque o que tinha que ser resolvido já estava sendo trabalhado há tempos. Isso é um exemplo de que, quanto mais eficiente é a maneira de
trabalhar, mais espaço também haverá para a vida pessoal sem prejuízos à economia”, diz.

Segundo Ferrari, o México é o exemplo contrário. O país, onde férias e feriados correspondem a apenas 22 dias, foi o que apresentou menor número de descansos anuais da lista da Mercer, mas não por isso pode ser considerado o país mais produtivo.

Ele ressalta, porém, que se a quantidade de folgas no Brasil não é determinante para a produtividade, faz diferença no custo de manter um empregado, tanto pelo fato de a empresa ter que pagar por um número grande de horas não-trabalhadas quanto por uma peculiaridade de legislação brasileira, o adicional de férias. Por lei, o trabalhador com registro em carteira tem direito a um acréscimo de 30% do salário, no mês em que sai de férias, o que para o consultor é uma contradição vista em poucos lugares do mundo.

“Somos um dos únicos países onde o trabalhador ganha mais quando está em descanso do que nos meses em que trabalha. É uma lógica difícil de entender”, afirma.

Top, top, top para Lula, o governo, a TAM e todos nós

Na manhã de ontem, perto de Grenoble, no sudoeste da França, um ônibus que transportava 50 peregrinos poloneses com destino ao santuário de Notre-Dame de la Salette, nos Alpes, mergulhou no leito de um rio ao trafegar em alta velocidade por uma estrada proibida à passagem de veículos pesados. Morreram pelo menos 26 pessoas, todas anciãs.

Duas horas depois, estavam no local do acidente, a 700 quilômetros de Paris, o primeiro-ministro francês François Fillon e o ministro que cuida das estradas Jean-Louis Borloo. Em seguida, chegou a ministra do Interior Michele Alliot Marie. O presidente da Polônia Lech Kaczynski avisou ao presidente da França Nicolas Sarkozy que viajaria de imediato para visitar os 24 sobreviventes.

Kacczynski desembarcou em Grenoble às 12h45, horário de Brasília. Foi recebido no aeroporto por Sarkozy. Juntos, os dois consolaram os feridos internados no Hospital Geral de Grenoble. De lá, Kacczinski telefonou para familiares de alguns dos mortos. Sarkozy declarou que acompanhará pessoalmente o inquérito para apurar as causas mais do acidente.

Aqui, às 18h45 da terça-feira da semana passada, um Airbus-320 da TAM espatifou-se ao aterrissar na pista principal, escorregadia e ainda inacabada do aeroporto de Congonhas. Morreram cerca de 200 pessoas. São Paulo fica a uma hora e vinte minutos de vôo de Brasília. O Comandante da Aeronáutica embarcou para lá na mesma noite, mas não saiu da Base Aérea.

O ministro da Defesa não saiu de Brasília. O presidente da República reuniu-se com ministros no Palácio do Planalto, decretou luto oficial e divulgou uma nota de pesar. Não telefonou para o governador de São Paulo. Nem para o prefeito. Muito menos para parentes das vítimas. Sumiu de circulação durante três dias. Recuperava-se de um incômodo terçol no olho direito.

Acossado pela imprensa, ocupou cadeia nacional de televisão para lamentar a tragédia e admitir que o sistema aéreo do país “passa por dificuldades”. Alegou que o maior problema é o excessivo número de vôos em Congonhas. Prometeu construir um novo aeroporto. E advertiu que “não se pode condenar ou absolver quem quer que seja com base em opiniões apressadas”. Freud explica…

É preciso dizer mais o que sobre o comportamento de Lula? Que ele faz o tipo do malandro esperto que costuma se esconder ao ser confrontado com algum fato capaz de causar danos à sua imagem? Não foi assim no caso do mensalão? Que costuma ser antes de tudo solidário com os amigos metidos em encrencas? E que depois entrega a cabeça deles para salvar a sua?

A TAM recomenda em seu manual destinado aos pilotos o uso do reversor em potência máxima nos pousos do Airbus-320. Mas o avião que caiu em Congonhas voava com o reversor a meia bomba. O do presidente da TAM, certamente não voa. Cresceu em 40% o número de passageiros de avião nos últimos quatro anos. Foi por conta da prosperidade, como observou o ministro da Fazenda.

Mas no mesmo período, os gastos do governo com segurança aérea despencaram em quase 50%. Afinal, era indispensável aumentar o superávit primário para ganhar credibilidade lá fora e atrair money. “Em determinados cargos, a gente não diz aquilo que pensa nunca; a gente faz quando pode e, se não pode, a gente deixa como está para ver como é que fica”, ensinou Lula no último dia 17.

É preciso dizer mais o que sobre a culpa do governo e da TAM pela maior tragédia da história da aviação na América do Sul? Por irresponsável, o presidente da TAM deveria estar preso. Por inepta, a cúpula do setor aéreo deveria ter sido ejetada dos seus assentos no dia da tragédia ou mesmo antes da colisão recente do Boeing da GOL com o jatinho Legacy. Morreram 155 pessoas.

Ali explodiu de vez a crise antecipada para Lula em relatório de março de 2003 entregue pelo então ministro da Defesa José Viegas. Tudo bem que Lula não tenha lido o relatório – ele carece de paciência para ler documentos com muitas páginas. Mas foi posto a par do conteúdo dele. E o que fez para abortar a crise? Nada. Deixou tudo como estava para ver como ficaria.

Top, top, top, pois, para Lula e o governo dele. Top, top, top para a TAM que arrisca a vida dos clientes para aumentar sua margem de lucro. Ao cabo, top, top, top para nós que pagamos impostos e voamos por prazer ou a trabalho. Ainda faltam mais de três anos para que a esse governo suceda outro. Mas assim como os séculos, os governos nem sempre começam ou acabam na data marcada.

O século XX começou em 1914 com a eclosão da 1a. Guerra Mundial. Nada de relevante aconteceu antes. E terminou com o fim do comunismo e o desmanche da União Soviética em 1991. Nada de relevante aconteceu depois. O século que vivemos começou de fato no dia 11 de setembro de 2001 com o atentado às torres gêmeas. Está com toda a pinta de que será emocionante. 

O segundo governo Lula ainda não começou – salvo para os que acreditam no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) como seu marco inicial. O PAC está para o novo governo Lula assim como o Fome Zero esteve para o velho – ambos são pura pirotecnia. Na prática, o Fome Zero morreu de inanição. Não se ouve mais falar dele. O PAC ainda renderá por algum tempo.

Cuide-se Lula para não repetir o exemplo do seu antecessor. O segundo governo de Fernando Henrique Cardoso acabou no primeiro mês de vida com a desvalorização do real. Era tudo o que ele prometera não fazer. O distinto povo brasileiro foi vítima de um estelionato eleitoral. Mais tarde, o apagão de energia se encarregou de enterrar o governo que jazia insepulto e cheirava mal.

Nunca jamais na história deste país os ventos da economia sopraram tão fortes a favor de um governo que disponha de uma razoável dose de talento e de sorte. Na verdade, quem conspira contra o sucesso do governo Lula é Lula em primeiro lugar. Em segundo lugar, é ele também. E em terceiro, parte da turma que ele recrutou para desfrutar das vantagens do poder.

Vi no blog do Noblat

Veja 1: A noite infernal

especial2.jpg

Um clarão num começo de noite fria em São Paulo foi o primeiro sinal de um desastre que levou 28 segundos para acontecer, mas que continua a repetir-se infinitamente no cinema mental dos brasileiros. É impossível esquecer o incêndio infernal e, à frente dele, a princípio inexplicável, o pedaço de cauda com as letras TAM. Também ficarão para sempre impressas na memória as notícias que sucederam ao clarão. O Airbus que vinha de Porto Alegre não conseguiu pousar na pista molhada de Congonhas. Atravessou a avenida paralela ao aeroporto. Entrou num depósito de carga. Explodiu. Estava lotado. Morreram todos. Houve vítimas em terra. Foram cerca de duas centenas de mortos – três dias depois, o número permanecia inexato. Sobrou apenas aquele pedaço de cauda, agora transformado em alegoria macabra pelas lentes dos fotógrafos.

especial6.jpg

Entrar num avião exige uma suspensão da incredulidade. É preciso aceitar que um tubo de metal lotado de gente voa, que a sua tecnologia tem respostas esplêndidas, que é o mais seguro dos meios de transporte – tudo lógico do ponto de vista da física e da estatística, mas tão duvidoso diante de nossas resistências psíquicas. Entrar num avião depois do acidente com o Airbus da TAM exige hoje não só suplantar a rejeição inata aos humanos de pés plantados na terra, mas sufocar um grito de angústia: quem vai nos socorrer? Quem vai tirar os cidadãos de bem da sensação de desamparo que nos assalta há dez meses, desde o acidente do Boeing da Gol, quando teve início o caos nos céus do Brasil? Mesmo ainda sem saberem todos os fatos que levaram ao desastre do vôo 3054, mas conhecendo perfeitamente as circunstâncias de falência institucional que o cercaram, todos sentem que o inferno vai se perpetuar.

especial3.jpg

Depois do desastre, onde estava o ministro da Defesa, Waldir Pires, aquele que reclamou do salário de 8 000 reais? Mergulhado num silêncio quebrado com uma nota anódina em que propõe que se evitem “julgamentos precipitados”. Onde estava o presidente Lula? Em silêncio profundo que levou três dias para romper. A ministra do Turismo, Marta Suplicy? Em Portugal, de onde voltou com uma declaração que foi a única boa notícia no silêncio dos omissos que se seguiu à morte de duas centenas de cidadãos brasileiros em circunstâncias traumatizantes: “Não tenho nada a dizer”. O que ela disse da última vez em que se pronunciou sobre o assunto foi superado, inacreditavelmente, pelo ministro Marco Aurélio Garcia, assessor especial de Relações Internacionais, comemorando a notícia de que um problema mecânico pode ter influído no acidente, aliviando a pressão sobre o governo. Como as imagens terríveis daquela noite infernal, seu gesto chulo também ficará gravado na memória dos brasileiros.

Fotos: Vivi Zanatta(AE) / Paulo Liebert(AE) / Andre Penner(AP)

Vídeo dos “aspones” Marco Aurélio Garcia e Bruno Gaspar comemorando o problema mecânico da TAM

Povo brasileiro não se indigne. Isto tudo consta do manual do Itamarati sobre comemorações de vitórias do governo envolvendo acidentes aéreos, descoberto pelo Blog do Cardoso.

Seção 23 – Como comemorar possíveis vitórias políticas envolvendo tragédias com mortes em massa:

O mais graduado deve dar voltinhas em torno de si mesmo, fazendo o gestual significando “ah ah se foderam”, batendo com a mão esquerda espalmada no topo do punho direito, com este fechado. V. “top top”. Outro funcionário do Governo presente deve demonstrar sua solidariedade ao seu superior balançando os quadris em movimentos rítmicos para frente e para trás, acompanhando com os braços. Cotovelo em 90 graus, puxando e empurrando, gestual significando “ah ah fodemos eles”, popularmente conhecido como “créu”.

E nós contamos os corpos…

Texto lido na semana passada pelo vocalista da banda Detonautas na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro

protestorj1.jpg

“Os deputados, senadores, prefeitos, governadores e p residentes, desfrutam de muitos privilégios PAGOS com o dinheiro do povo.

E nós contamos os corpos….

Seus filhos estudam em colégios particulares e muitos de seus parentes quando precisam são atendidos erm excelentes hospitais que não pertencem à rede pública. ANDAM EM CARROS BLINDADOS e moram em locais da cidade protegidos por seguranças particulares.

E nós contamos os corpos…

55% dos deputados estaduais residentes nesta Assembléia Legislativa estão respondendo a processos cíveis, criminais ou eleitorais, enquanto você sequer pode prestar concurso público se estiver envolvido em algum processo judicial.

E nós contamos os corpos…

Os políticos brasileiros são processados por fraudes, corrupção, desvio de verbas ou qualquer crime cometido ao longo de seu mandato TEM DIREITO A JULGAMENTO EM FORO PRIVILEGIADO. Até o momento nenhum político envolvido nos crimes e nos escândalos de corrupção que acompanhamos pelos jornais e TVs foi parar atrás das grades. Isso se chama IMPUNIDADE.

E nós contamos os corpos…

Verbas que deveriam ser destinadas a Rede Pública de Ensino, aos Hospitais, à Segurança de nossas Comunidades são desviadas por muitos destes cidadãos que deveriam nos defender e nos representar.

E nós contamos os corpos…

O Supremo Tribunal Federal retomou dia primeiro de março o julgamento de recurso destinado a garantir o foro privilegiado a “agentes políticos” processados por improbidade administrativa, mesmo que já tenham deixado o cargo. Dos 11 ministros do STF seis já votaram a favor dos políticos e um contra. Restam votar 4 ministros. A medida, se aprovada, impedirá que ministros de Estado e o presidente da república sejam fiscalizados por procuradores na primeira instância da Justiça, como ocorre hoje.

Além de paralisar os processos em andamento a decisão do STF permitirá que administradores já condenados possam pedir a RESTITUIÇÃO de valores que foram obrigados a devolver aos cofres públicos. Cerca de 10 mil inquéritos e ações judiciais contra autoridades acusadas de corrupção podem ser arquivadas. Os defensores do foro privilegiado querem que presidentes,

ministros, governadores e prefeitos envolvidos em corrupção não sejam mais atingidos pela lei. O Código Penal Brasileiro é de 1940.

E nós contamos os corpos…

Um soldado da policia militar ganha 800 reais por mês. Um professor ganha em média 400 reais por mês. Um médico do SUS ganha em média 1.500 reais.

O Estado gasta em média com nossas crianças 300 reais por mês. Um preso custa aos cofres públicos em média 800 reais por mês e todos nós sabemos que o Estado não oferece nas penitenciárias NENHUMA CONDIÇÃO DE REABILITAÇÃO dos apenados, cabendo à sociedade arcar com todos estes custos. Mas os salários dos nossos políticos passam de QUINZE MIL REAIS mensais.

E nós contamos os corpos…

O Rio de Janeiro está em guerra enquanto nossos representantes não fazem nada.

E nós contamos os corpos…

Fim da impunidade.

Fim da imunidade parlamentar.

Fim do voto secreto no Congresso Nacional.

Queremos segurança, educação e saúde de qualidade pois pagamos por isso.

SEM JUSTIÇA NÃO HÁ PAZ

Deputados assumam suas responsabilidades pois elas são do mesmo tamanho de seus privilégios.

Enquanto nós contamos os corpos.

PS: VOCÊ AINDA VAI QUERER DIZER QUE NÃO QUER SABER DE POLÍTICA?

Charge do dia

dukebandeira.jpg

Entrevista da Folha de São Paulo com o pai de um dos agressores de Sirlei Pinto, no Rio de Janeiro

Folha – O sr. acredita na acusação contra seu filho?
Ludovico Ramalho Bruno – Eles não são bandidos. Tem que criar outras instâncias para puni-los. Queria dizer à sociedade que nós, pais, não temos culpa nisso. Eles cometeram erro? Cometeram. Mas não vai ser justo manter crianças que estão na faculdade, estão estudando, trabalham, presos. É desnecessário, vai marginalizar lá dentro. Foi uma coisa feia que eles fizeram? Foi. Não justifica o que fizeram. Mas prender, botar preso, juntar eles com outros bandidos…Essas pessoas que têm estudo, que têm caráter, junto com uns caras desses? Existem crimes piores.

Folha – O sr. já falou com ele?
Bruno – Não. É um deslize na vida dele. E vai pagar caro. Está detido, chorando, desesperado. Daqui vai ser transferido. Peço ao juiz que dê a chance para cuidarmos dos nossos filhos. Peguei a senhora que foi agredida, abracei, chorei com ela e pedi perdão. Foi a primeira coisa que fiz quando vi a moça, foi o mínimo que pude fazer. Não é justo prender cinco jovens que estudam, que trabalham, que têm pai e mãe, e juntar com bandidos que a gente não sabe de onde vieram. Imagina o sofrimento desses garotos.

PS: Num país coalhado de notícias de escândalos políticos, corrupção e tráfico de drogas o Sr. Ludovico Ramalho Bruno conseguiu produzir a entrevista da semana. Coitado.