Archive for the ‘Hugo Chávez’ Category

Charge do Dia

duke_al

Anúncios

Equador busca apoio internacional para dar calote no Brasil

Por Ruth Costas, no Estadão

O Equador qualificou ontem de “lamentáveis” e resultado de “uma prática política condenável” as declarações do chanceler brasileiro, Celso Amorim, sobre a decisão de Quito de levar à arbitragem internacional uma dívida com o BNDES. Amorim disse que a medida foi “um tiro no pé” porque o Brasil seria uma das poucas fontes de crédito dos equatorianos.

“Nosso Estado é soberano e tem o direito de ir a arbitragens quando considerar que um contrato afeta seu interesse nacional”, disse o ministro de Segurança equatoriano, Gustavo Larrea. “Se um país condiciona suas fontes de financiamento a que o Equador não tenha direito de exigir seus interesses, não nos interessa. Essa é uma prática política condenável.”

Quito não quer pagar 30% de sua dívida externa de US$ 10 bilhões. Desse montante, US$ 242,9 milhões correspondem a recursos emprestados pelo BNDES para financiar obras da Odebrecht. Quito começou na terça-feira uma campanha internacional para conseguir apoio. Seus enviados já estão na Argentina e no Chile e devem viajar para os EUA e o Peru.

Outros governos, como o do venezuelano Hugo Chávez, já manifestaram sua solidariedade a Quito. “Esse é um caso típico de colonialismo econômico”, disse Chávez num encontro com líderes da região em novembro, quando foi anunciado que Venezuela e Bolívia também poderiam “auditar” suas dívidas.

O Brasil endureceu o tom. Chamou de volta seu embaixador em Quito e ameaçou não financiar mais obras de infra-estrutura em países que seguissem o caminho equatoriano. A polêmica, porém, já havia lançado o País no que parece ser uma nova e delicada fase das relações com os países vizinhos.

O Paraguai agora quer o “perdão” de US$ 19 bilhões referentes às obras da hidrelétrica binacional de Itaipu. E Caracas deu uma resposta vaga a uma consulta do Itamaraty sobre se a “auditoria” da sua dívida poderia atingir interesses brasileiros.

Chávez ameaça estatizar escolas privatizadas que não ensinarem o “socialismo do século 21”

hugo-chavez.jpg

Por Fabiano Maisonnave, na Folha:
No dia em que a Venezuela voltou às aulas, o presidente Hugo Chávez apareceu em duas cadeias obrigatórias de rádio e televisão, nas quais ameaçou com fechamento as escolas privadas do país que não respeitarem “o sistema educacional bolivariano”. “Não podemos aceitar que o setor privado faça o que lhe der vontade. Eles acham que, por serem privados, podem se negar a uma inspeção. Eles devem se subordinar ao sistema educacional nacional e bolivariano. Quem não quiser terá de fechar a escola”, disse Chávez, ontem pela manhã, na primeira transmissão. “Intervém-se, nacionaliza-se e se assume a responsabilidade por essas crianças”, completou.
(…)
O governo anunciou na semana passada que pretende implantar a “educação bolivariana” nos próximos anos, mas o projeto ainda não estaria pronto. Uma versão preliminar do currículo revelada na semana passada inclui como tema obrigatório, por exemplo, o estudo do chamado socialismo do século 21. “Havia aqui textos que se regiam por programas oficiais, que tinham uma educação ideologizada, eurocêntrica. Foi por meio dela que nos ensinaram a admirar Cristóvão Colombo e o Super-Homem”, disse Chávez, que prometeu implantar o “sistema bolivariano” em todo o país até abril de 2010.As declarações de Chávez foram duramente criticadas pela Câmara de Educação Privada, que reúne 257 escolas, com cerca de 100 mil alunos. “Não vamos, por pressão do governo, eliminar nossas propostas livres e assumir a que o governo até agora não nos apresentou”, disse à Folha o presidente da entidade, Octavio de Lamo.”Se a educação bolivariana fosse tão boa, não teríamos todos os filhos de funcionários públicos em colégios privados. Por que o presidente Chávez não tenta convencer seus mais fervorosos seguidores a inscrever seus filhos nas escolas oficiais de educação?”, questionou De Lamo, em referência a uma prática bastante conhecida no país.

Sujeira leva a mais de mil amputações de pênis por ano

Reportagem de Hédio Ferreira Júnior:
Um dado alarmante preocupa o Ministério da Saúde e alerta a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) para um problema que se agrava a cada ano no país: pelo menos mil homens têm o pênis amputado, todos os anos no Brasil, a maioria vítima de câncer peniano. Nos últimos cinco anos, a incidência de casos cresceu 10% a cada 12 meses. Em Minas, foram diagnostic a d o s cerca de 60 casos e m 2006, segundo levantamentos da SBU, concluídos em maio passado.

As regiões com maior incidência no Estado são o Norte e o Vale do Jequitinhonha, além de Belo Horizonte, onde há tratamento mais especializado. A causa da doença, que pode levar à morte ou à amputação dos membros, poderia ser complexa, mas está na simplicidade de sua prevenção o registro que mais assusta. A sujeira, ou diretamente a falta de lavagem do pênis com água e sabão, é a causadora de tumores que acometem atualmente mais de 4.000 brasileiros.

“Nenhum outro tipo de câncer diagnosticado em qualquer parte do corpo, seja do homem ou da mulher, tem um método preventivo tão simples e barato quanto o de pênis”, observa o presidente regional da SBU em Minas e ex-presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual, Luiz Otávio Torres. O Brasil é um dos países com maior índice de câncer de pênis no mundo, atrás apenas da Índia e de algumas regiões da África. As vítimas são, em sua esmagadora maioria, homens não circuncidados – que ainda apresentam fimose ou excesso de prepúcio (pele que encobre a cabeça do pênis), que vivem em condições de pobreza e têm nível de formação sociocultural baixo.

As conseqüências do tratamento do câncer de pênis são, muitas vezes, devastadoras. O indivíduo que tem o membro amputado sente que teve mutilado o símbolo de sua masculinidade. A vergonha e sofrimento acabam fazendo com que ele permaneça no anonimato e evite compartilhar sua experiência com outras pessoas. “É uma agressão muito grande ao corpo do homem, principalmente quando acomete o jovem”, salienta o presidente da Sociedade Brasileira de Urologia em Brasília, José Carlos de Almeida.

Ranking
São Paulo, e seus mais de 40 milhões de habitantes, é o Estado onde há o maior número de casos, porém são as regiões Norte e Nordeste, com os menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), onde estão os focos da patologia. Muitos pacientes migram para o Sudeste em busca de tratamento ou atrás de trabalho e só depois descobrem que estão com a doença. Em junho deste ano, a Sociedade Brasileira de Urologia realizou no Maranhão, Estado com o menor IDH e em terceiro lugar no ranking de casos, uma caravana de combate e prevenção.

Cartilhas ilustrativas foram distribuídas e um mutirão da saúde foi realizado. A campanha se estende para a TV em cadeia nacional a partir deste mês. Estrelada pelo ex-jogador da seleção brasileira e treinador do Fenerbahçe, na Turquia, Zico, 54, falará da mais simples e barata prevenção de um câncer, que é a higienização com água e sabão.

Veja 3: Chávez, o eterno

chavez.jpgReportagem de Diogo Schelp:
Outro dia, outro passo de Hugo Chávez em seu projeto de se converter na versão século XXI do manjado ditador latino-americano. Na semana passada, o presidente venezuelano já tinha quase pronta a nova proposta de reforma constitucional a ser votada ainda neste ano pelo Congresso venezuelano. A principal novidade será a concessão do direito de se reeleger quantas vezes quiser e puder. O privilégio só vale para o presidente, pois seria mantido o veto à reeleição de governadores e prefeitos. A aprovação das mudanças na Constituição é dada como certa, já que todos os deputados venezuelanos são chavistas – a estranha unanimidade na Assembléia Nacional deve-se ao fato de a oposição ter boicotado as eleições parlamentares de 2005, reclamando de fraude. No poder há oito anos, o presidente venezuelano busca agora se tornar governante vitalício, a exemplo de seu mentor Fidel Castro.
(…)
Hugo Chávez sempre teve o cuidado de legitimar sua permanência no governo com a convocação de eleições e plebiscitos. Não é uma estratégia original. Na verdade, trata-se de um procedimento quase padrão nos países atormentados por presidentes vitalícios. Não é sem razão que Alexander Lukashenko, melancolicamente conhecido como o “último ditador da Europa”, perfila agora entre os “muy amigos” de Chávez. Proibido de entrar em qualquer um dos países da União Européia, Lukashenko acaba de assinar com a Venezuela a venda de 1 bilhão de dólares em armamento moderno. Um levantamento feito pela cientista política Jennifer Gandhi, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, mostra que os ditadores que mantêm fachadas institucionais são aqueles que por mais tempo conseguem ficar no poder. Perpetuar-se no cargo tornou-se também a ambição do presidente boliviano Evo Morales, uma cria de Chávez. Há duas semanas, deputados do partido de Morales propuseram incluir na nova Constituição o direito à reeleição sem limite na Bolívia. Chávez é o mau exemplo. Assinante lê mais aqui

Foto: AFP

Evo Morales: Fala fantoche!

Trechos da entrevista de página inteira na Folha de SP.

chavesfidelmorales.jpg

       
FOLHA – Analistas acreditam que a Bolívia possa sofrer desabastecimento interno de gás.
MORALES
– Estamos cientes e adotando medidas preventivas. Necessitamos, para os três meses de inverno, de pelo menos 3.600 toneladas de gás natural e já prevíamos adquiri-lo da Venezuela por precaução.

FOLHA – A Bolívia tem capacidade de suprir a demanda argentina e a brasileira?
MORALES
– Sim. No momento, exportamos à Argentina cerca de 5,7 milhões de metros cúbicos ao dia, (o contrato  prevê no mínimo 4,6 milhões e no máximo 7,7 milhões). No caso do Brasil, nosso volume diário de exportação é de 25 milhões de metros cúbicos ao dia e nos pediram que o elevássemos a 27 milhões.  Atender à demanda máxima (30 milhões) é difícil. Mas um aumento na cota é possível.

FOLHA – A ONU denunciou um aumento “dramático” (de cerca de 8%) no cultivo de coca. Já aos EUA, sua política de “revalorização” da folha de coca causa “inquietação”.
MORALES
– Dois mil hectares a mais de coca são um aumento dramático? Querem que na Bolívia haja forças paramilitares, fumigações, violações dos direitos humanos?

FOLHA – O senhor visitou Fidel Castro há alguns dias. Como foi o encontro?
MORALES
– Eu estava ansioso, desesperado por entrar. Quando conversamos e o ouvi falar de seus princípios de solidariedade, de seus preocupações com o ambiente e a energia, de suas críticas ao álcool e aos biocombustíveis, tive vontade de chorar, eu me emocionei. Eu lhe disse: “Comandante, o senhor não precisa convencer a Chávez, a mim e a outros líderes. Basta nos dar instruções”.

FOLHA – O senhor está distribuindo aos prefeitos de cidades bolivianas cheques em valores de milhares de dólares, assinados pela Embaixada da Venezuela. Isso é ingerência de Hugo Chávez nos assuntos bolivianos?
MORALES
– Não.  Quanto aos cheques, todos os países o fazem por meio de ONGs.  Mas, no caso da ajuda de Chávez, coordenamos com os prefeitos os projetos que lhes interessam e assim não existe malversação de fundos.

FOLHA – Mas o senhor pretende garantir sua reeleição e adotar um sistema de Câmara única para o Legislativo, na nova Constituição?
MORALES
– A Câmara Alta e a Câmara Baixa nos levam ao atraso e ao conflito. O sistema unicameral está em debate. E a reeleição do presidente é uma proposta das forças sociais. Não só a ratificação mas também a revogação de mandato.

Charge do dia

jeanrenan.jpg

Veja 1: Hora de partir

renanveja.jpgPor Otávio Cabral na VEJA deste fim de semana:
“O senador Renan Calheiros, na sua batalha para provar que o lobista da empreiteira Mendes Júnior não pagou suas despesas pessoais, começou a semana passada disposto a desmoralizar seus acusadores, arquivar as investigações e voltar a presidir o Senado sem atropelos. Terminou a semana errando em todos os alvos. Suas explicações sobre negociações de gado, que justificariam o tamanho de seu patrimônio, acabaram desmoralizadas por uma perícia da Polícia Federal, as investigações serão estendidas por no mínimo trinta dias – e a cadeira de presidente do Senado ocupada por Renan já começou a ser negociada pelos senadores. O presidente Lula, como sempre faz nos momentos em que um aliado começa a cair em desgraça, passou a tomar distância técnica de Renan, a quem vinha prestando solidariedade diária.

Entre os principais partidos no Senado, todos querem a cadeira, mas é difícil tomá-la sem negociar com os demais. Há quem acredite que Renan só se mantém presidente da Casa porque ainda não houve acordo sobre o sucessor. Percebendo o clima hostil, Renan partiu para um recurso de desespero, que lembra os momentos de agonia de outro político alagoano, Fernando Collor: começou a assoprar ameaças e chantagens contra colegas de Parlamento.

Desde que o escândalo estourou, há um mês, é a primeira vez que o Senado parece perceber que as estripulias do senador estão afundando a própria instituição. É cedo para dizer que o Senado, finalmente, vai reagir, mas começam a aparecer os primeiros sinais nesse sentido. Com tudo o que já veio à tona – sobre suas relações promíscuas com o lobista, sobre as mentiras que contou aos senadores, sobre sua defesa, que requer sempre um complemento – Renan Calheiros perdeu as condições de manter-se na presidência do Senado. Ou Renan deixa o comando da Casa. Ou a Casa afunda com Renan.

(…)

Na quarta-feira, o senador Efraim Morais, do DEM da Paraíba, chegou ofegante à reunião de cúpula de seu partido e suplicou: “É melhor a gente acabar logo com isso ou a turma deles vai lançar dossiê contra todo mundo”. Efraim, parlamentar próximo de Renan, não explicou quais eram as ameaças, mas logo a tropa espalhou dois casos. O primeiro caso informava que um senador devia 50 milhões de reais ao Banco do Nordeste. O devedor apareceu. Era o senador José Agripino, que explicou serenamente a dívida, de 11 milhões de reais, e frisou que a existência de uma dívida não desabona ninguém.

O outro caso dizia que um senador viajara para os Estados Unidos na companhia da amante com verbas do Senado. O suposto chantageado também apareceu. Era o senador Demostenes Torres, que explicou o caso com serenidade. “Lamentavelmente, a assessora não é minha amante, porque ela é linda”, tripudiou Torres. Ele usou verbas do Senado para viajar com a assessora para a Assembléia da ONU em Nova York, o que é permitido pelo regulamento da Casa. Se tudo isso não é suficiente para mostrar que Renan Calheiros perdeu por completo as condições – políticas, morais – de presidir o Senado, o que mais é preciso?” Assinante da VEJA leia mais aqui.

Capa da Veja (23/06)

capa2306.jpg

Menino de 10 anos já tem nome no SPC e Serasa

serasa.gifUma criança recebeu no dia 31 de maio uma notificação extra-judicial, com a cobrança de uma dívida de uma companhia telefônica de R$ 2.336,66. “O menino recebeu a notificação e levou um susto”, relatou Peniel Pacheco, diretor do Procon do Distrito Federal, a quem a mãe de G.V.A recorreu. Com a dívida, que se referia ao ano passado, o nome da criança foi levado ao SPC e ao Serasa. A empresa pode ser multada em até R$ 3 milhões.

A Brasil Telecom informa que em outubro de 2005 foi contratada uma linha telefônica no nome da criança, mas que, na época foi informado que o detentor do CPF havia nascido em 1977 e que, portanto, era maior de idade. A concessionária explica que hoje, isso não seria possível, já que, desde janeiro de 2006 o sistema da empresa está integrado ao da Receita Federal, sendo possível checar dados como a idade do cliente.

Ainda segundo a empresa, a linha foi utilizada por alguns meses e inclusive foram enviadas contas telefônicas para o mesmo endereço em que foi instalada. Pacheco disse que a família da criança informou que nunca havia recebido contas telefônicas referentes a aquele número de telefone. A Brasil Telecom diz que as contas foram pagas até janeiro de 2006 e em fevereiro foi solicitado o parcelamento de uma dívida, que não chegou a ser paga e telefone foi desinstalado em agosto daquele ano por inadimplência. A empresa informa que já retirou o nome da criança do Serasa e do SPC.

Multa

O diretor do Procon explicou que, pelo Código de Defesa do Consumidor e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, o contrato é nulo por se tratar de um menor de idade. “Como existe um ato arbitrário a empresa foi notificada”, afirmou. A empresa também informou que vai apurar judicialmente se houve utilização indevida do CPF da criança por outra pessoa e o Procon diz que a Brasil Telecom cometeu uma infração e poderá ser multada em até R$ 3 milhões.

Fonte: Agência Estado

Escuta da Operação Aquarela põe senador sob suspeita

roriz.jpgA Operação Aquarela, da Polícia Civil de Brasília, pegou em cheio o senador Joaquim Roriz (PMDB-DF), flagrado em escutas telefônicas com Tarcisio Franklin de Moura, que presidiu o Banco de Brasília (BRB) de 1999 a abril deste ano. Tarcísio está preso desde a semana passada, sob suspeita de comandar um esquema de desvio de dinheiro de cartões de crédito que chega a R$ 50 milhões. Na operação foram presas 19 pessoas em Brasília e em São Paulo.

As gravações, todas feitas no dia 13 de março, capturaram diálogos reveladores entre o senador Joaquim Roriz e Tarcísio. Numa das conversas, Tarcísio liga para o gabinete do senador Roriz. Conforme a gravação, exibida pela revista Época:

Tarcisio: “Alô, oi senador. Posso sugerir um negócio?”
Roriz: “Pode”.
Tarcísio: “Por que a gente não leva lá para o escritório do Nenê?”.
Roriz: “É pra isso mesmo”.
Tarcísio: “E de lá sai cada um com o seu”.
Roriz: “Ah, então tá ótimo. Nós pensamos a mesma coisa”.

Noutra conversa, Tarcísio fala para um homem não identificado que está combinando com Roriz de encontrar-se “no escritório do Nenê Constantino” (presidente do Conselho de Administração da Gol e dono de empresas de ônibus de Brasília). Tarcísio também menciona que o que eles têm que pegar não cabe em um carro.

Cheque

No mesmo dia, relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda, revela uma movimentação referente a um cheque em nome de uma empresa agrícola supostamente para Nenê Constantino. Há um saque no BRB de R$ 2,231 milhões, coberto por um cheque em nome de uma empresa do ramo agropecuário, que seria nominal a Constantino. Procurada, a assessoria de Constantino informou que ele nunca teve conta no BRB nem jamais entregou cheque de R$ 2 milhões a Roriz. O senador Roriz não respondeu.