Archive for the ‘Google’ Category

BHTrans e Google: Rotas de ônibus disponíveis na Internet

Clarissa Carvalhaes para o Hoje em Dia

Os usuários do transporte rodoviário coletivo de Belo Horizonte terão a vida facilitada a partir de hoje. Uma parceria entre a BHTrans e a Google Mapas oferece aos internautas a possibilidade de se locomoverem de ônibus na capital utilizando uma nova ferramenta, o “Como Chegar”. O link do site www.google.com.br/mapas pode ser acessado pelo computador ou pelo celular.

O grande diferencial do programa é a busca de rotas por referências turísticas ou comerciais. Não é necessário saber o número ou nome da rua ou avenida. Basta usar como referência o nome de um parque ou de um estabelecimento comercial próximo de onde se quer chegar.

Além disso, o internauta pode escolher se quer ir ao destino a pé, de carro, ônibus ou metrô. Se a opção desejada é o transporte público, o site apresenta quais as linhas são ideais naquele momento, identificando o tempo estimado de locomoção, freqüência da linha e até o preço da passagem.

Segundo o presidente da BHTrans, Ricardo Mendanha, a solução para desafogar o trânsito da capital passa por melhorias no transporte público. “A ferramenta da informação é fundamental. Pesquisas que a BHTrans tem feito mostram que parte das pessoas não usam o transporte coletivo por falta de informação”, disse.

Meta é captar usuários
Mendanha frisou que uma parte significativa dos usuários não conhece o sistema de transporte e tem dificuldades para utilizá-lo. “A apresentação desta ferramenta é mais um passo para aumentar o número de usuários. Com isso, estaremos melhorando a qualidade de vida das pessoas e da própria cidade”.

Mendanha disse ainda que a ferramenta é um presente para a população e para Belo Horizonte. “A capital mineira, que está completando 111 anos, está entre as primeiras cidades da América Latina a oferecer esse tipo de serviço ao usuários, melhorando a vida dos belo-horizontinos”, comentou.

O presidente da BHTrans garantiu que a frota de veículos das 287 linhas que integram o sistema será aumentado para atender os futuros usuários. Segundo o gerente de produtos da Google Brasil, Marcelo Quintella, da construção do programa ao seu funcionamento se passaram aproximadamente cinco meses e foi conduzida pela BHTrans, a São Paulo Transporte S.A. (SPTrans), a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) e a própria Google. “Todos os envolvidos cederam os recursos tecnológicos. Não houve nenhuma negociação ou acordo financeiro”, disse.

Para o presidente da Google Brasil, Alex Dias, há interesse em trabalhar com outras cidades. Mas, por enquanto, o site oferece o serviço apenas em São Paulo e Belo Horizonte, escolhidas estrategicamente. “As cidades foram definidas porque são metrópoles importantes e parceiros maduros. Elas têm um transporte coletivo eficiente, que corresponde com as expectativas do projeto e que tem por objetivo incentivar a não utilização do transporte particular”, afirmou.

Segundo Dias, a ferramenta foi criada para reunir informações e imagens que facilitarão a vida dos usuários. “A inclusão de rotas de transporte público torna o Google Mapas mais relevante para os usuários brasileiros”, disse.

Para ele, o “Como Chegar” é uma ferramenta que facilitará a vida dos usuários, com a possibilidade de acesso por computadores e celulares. “Torna-se ainda mais útil para quem está nessas metrópoles”, concluiu.

As rotas de transporte estão disponíveis em outras 75 cidades do mundo, nos Estados Unidos e Europa.

Anúncios

Steve Jobs e sua vida em 03 estórias

O vídeo abaixo é de exibição obrigatória principalmente para aquelas pessoas que acham que nada acontece com quem tem dinheiro, que sucesso é igual a sorte e que diploma universitário é tudo. Veja até o fim. Vale a pena.

Mensalão mineiro: Reportagem de capa da Revista IstoÉ

Alan Rodrigues, de Belo Horizonte, e HugoMarques, de Brasília:
QUATRO ANOS DE INVESTIGAÇÕES Os primeiros documentos foram entregues pelo ex-tesoureiro de Azeredo em 2003 (doc. acima). Agora, a PF concluiu as investigações e constatou a existência de “organização criminosa”

Relação dos valores totais por partido 
Nos próximos dias, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, apresentará ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma peça jurídica capaz de provocar um terremoto político tão devastador quanto o do Escândalo do Mensalão. É a denúncia contra os políticos envolvidos no inquérito policial 2245-4/140-STF, que investiga o chamado “tucanoduto” – o caixa 2 da malsucedida campanha do senador Eduardo Azeredo ao governo de Minas Gerais, em 1998. Com mais de cinco mil páginas, o inquérito tem num relatório da Polícia Federal a completa radiografia de como foi montado o esquema e quem se beneficiou com ele.

Obtidos com exclusividade por ISTOÉ, os documentos que integram as 172 páginas dessa conclusão são mostrados pela primeira vez. Eles atingem diretamente o atual ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia (à época vice-governador e candidato a deputado federal), e envolvem o governador de Minas, Aécio Neves (que na ocasião tentava sua reeleição à Câmara). Aécio é nomeado numa lista assinada pelo coordenador financeiro da campanha, Cláudio Mourão, como beneficiário de um repasse de R$ 110 mil.

O relatório compromete ainda 159 políticos mineiros que participaram da disputa de 1998, entre eles a então senadora Júnia Marise e 82 deputados, entre federais e estaduais. No total, 17 partidos são citados, incluindo o PT, acusado de ter recebido R$ 880 mil, divididos entre 34 sacadores, sendo cinco deputados federais (confira a lista completa ao final dessa reportagem).

“Organização criminosa” – De acordo com a denúncia, o esquema capturou mais de R$ 100 milhões, com desvio de verbas de estatais e empréstimos bancários. Oficialmente, a campanha de Azeredo custou R$ 8 milhões. A intermediação entre o núcleo da campanha e os políticos favorecidos ficou a cargo da SMP&B, a agência do publicitário Marcos Valério, que, segundo a polícia, lavou parte do dinheiro com notas fiscais frias. Foi um modo de operar que serviu de laboratório de testes para o que, quatro anos depois, viria a ser o Mensalão Federal.

walfridopf.jpg

Walfrido dos Mares Guia
Reservado a promotores próximos do procurador-geral, aos poucos assessores que freqüentam o gabinete do ministro Joaquim Barbosa, do Supremo, e a um grupo seleto de policiais, o documento é demolidor. “Constatou-se a existência de complexa organização criminosa que atuava a partir de uma divisão muito aprofundada de tarefas, disposta de estruturas herméticas e hierarquizadas, constituída de maneira metódica e duradoura, com o objetivo claro de obter ganhos os mais elevados possíveis, através da prática de ilícitos e do exercício de influência na política e economia local”, diz o relatório da PF. Com diversos laudos periciais, extratos bancários e dezenas de depoimentos, o documento põe fim a uma batalha política entre oposição e governo que se arrasta há dois anos, desde que a CPI que apurou o Mensalão federal se recusou a investigar o caixa 2 da campanha de Eduardo Azeredo em Minas.

Com base nas informações reveladas nesse relatório fica fácil entender por que houve tanta pressão dos tucanos e até a complacência do PT para não se abrir uma CPI exclusiva para esse caso. Na ocasião, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), que presidia a chamada CPI dos Correios, classificou de “documento apócrifo” a lista elaborada pelo então coordenador financeiro da campanha de Azeredo, Cláudio Mourão, e que serviu de base para o trabalho da PF. Outra curiosidade: a denúncia da lista tinha sido feita por um companheiro do próprio partido de Delcídio, o então deputado estadual mineiro Rogério Corrêa. Mais curioso ainda: Paulinho Abi-Ackel, o filho do deputado Ibrahim Abi-Ackel, relator da CPI da Compra de Votos (e que também poderia ter investigado o caixa 2 mineiro), recebeu R$ 50 mil do esquema (leia quadro à pág. 32). Ele disse à polícia que prestou serviços de advocacia à campanha.
 
Nos recibos recuperados pela PF a partir da chamada “Lista de Mourão”, fica provado que o dinheiro “não contabilizado” dos tucanos irrigou não só a campanha de reeleição de Azeredo, mas de boa parte da elite da política mineira. O valor total rateado entre ela teria alcançado R$ 10,8 milhões.

aecionevespf.jpg

“Em dinheiro vivo” – Com exceção dos 82 deputados federais ou estaduais que receberam, em nome próprio ou de assessores, depósitos feitos diretamente pelas empresas de Marcos Valério, não é possível por enquanto assegurar que os repasses ao restante dos 159 políticos, incluindo o então candidato a deputado federal Aécio Neves, tiveram origem no caixa 2 operado pelo publicitário e pelo núcleo central da campanha de Eduardo Azeredo. “Muitos dos saques foram em dinheiro vivo, o que dificulta o rastreamento”, garante um dos policiais que participaram dos trabalhos. Segundo a investigação da Divisão de Repressão a Crimes Financeiros, a maior parte da derrama aconteceu para a compra de apoio político no segundo turno da eleição de 1998, no qual Azeredo acabou derrotado pelo ex-presidente Itamar Franco. Leia mais aqui.

Quer ler o relatório da Polícia Federal (170 páginas – PDF) que foi entregue ao Ministro Joaquim Barbosa do STF, clique aqui para baixar (12,9 Mb)

PS: Caso baixe o relatório da PF veja a lista dos partidos e políticos nas páginas 14 e 15 ou clique abaixo e veja a relação (pág. 14 / pág. 15) e o auto de apreensão

pag14relatorio.gifpag15relatorio.gifautoapreensaopf.jpg

Sucessão em Montes Claros

Enquanto se aproxima o período eleitoral e o prazo limite para filiação ou troca de partidos, a cidade vai se aprofundando em boatos.

A briga promete ser das mais acirradas dos últimos tempos, com vários candidatos à sucessão o prefeito Athos, que também é candidato, com chances de vitória. Nunca na cidade uma eleição aglutinou tantos candidatos tão fortes. Athos, Tadeu, Gil Pereira, Ruy Muniz e Jairo Ataíde são os prováveis candidatos.

As brigas de bastidores e as articulações já estão à todo vapor. Com isso, só quem está lucrando até agora são as lideranças comunitárias e os presidentes de associações, que estão “comendo em todos os pratos” e conversando com todos os candidatos.

Para ajudá-los deixo aqui as considerações de Sun Tzu que podem perfeitamente ser adequadas para a disputa eleitoral.

sun-tzu.jpg

  • A invencibilidade está na defesa; a possibilidade de vitória, no ataque. Quem se defende mostra que sua força é inadequada; quem ataca, mostra que ela é abundante.”
  • “Existem cinco fatores que permitem que se preveja qual dos oponentes sairá vencedor:
  1. aquele que sabe quando deve ou não lutar;
  2. aquele que sabe como adotar a arte militar apropriada de acordo com a
  3. superioridade ou inferioridade de suas forças frente ao inimigo;
    aquele que sabe como manter seus superiores e subordinados unidos de acordo com suas propostas;
  4. aquele que está bem preparado e enfrenta um inimigo desprevenido;
  5. aquele que é um general sábio e capaz, em cujas decisões o soberano não interfere. 
  • “Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo lutará cem batalhas sem perigo de derrota;para aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, as chances para a vitória ou para a derrota serão iguais;aquele que não conhece nem o inimigo e nem a si próprio, será derrotado em todas as batalhas”

Abaixo o preconceito

A prefeitura, veja só, não aceita entre os candidatos do concurso a guardas municipais aqueles que têm menos de 20 dentes na boca – 10 embaixo e outros tantos em cima.

Para o presidente da Associação Brasileira de Cirurgiões Dentistas, Eduardo Moiolli, a medida adotada no edital de contratação dos futuros guardas é um absurdo e um ato de exclusão social.

Vi no blog do Ancelmo

Proposta pode voltar a inchar câmaras municipais

vitorpenido.jpgA Frente Parlamentar Municipalista, que reúne 240 deputados federais, pretende reduzir os limites de gastos das câmaras municipais como forma de negociar a ampliação das vagas de vereadores no país. Ela vai apresentar uma emenda aglutinativa à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 333/2004, encampada pelo Congresso Nacional, em resposta à resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de 2004, que reduziu de 60.320 para 51.875 as cadeiras nas câmaras municipais. A matéria está prestes a ser votada em plenário, em meio a uma queda-de-braço que se arma entre vereadores e suplentes de um lado, que brigam pelo crescimento dos legislativos municipais, e a própria Frente Parlamentar Municipalista, de outro, que pretende diminuir despesas, como forma de evitar um novo desgaste ao Congresso Nacional. A PEC 333/04 propõe a ampliação das cadeiras de vereadores no país de 51.875 para 57.034 . Em Minas, o número de vagas nos 853 municípios passaria de 7.853 para 8.695. Se essa emenda for aprovada, os plenários das câmaras municipais vão inchar já em janeiro do ano que vem, antes das eleições de outubro, com a posse de 5.159 suplentes em todo o país, entre os quais, 842 em Minas.

“Vamos reduzir os gastos das câmaras municipais do país. Não posso acreditar que um deputado vai ter coragem de votar um negócio desses. O que se gasta hoje nas cidades com legislativos é um absurdo”, diz o deputado federal Vítor Penido (DEM), presidente da Frente. Os parlamentares querem reduzir os limites constitucionais de despesas dos legislativos municipais. Se isso ocorrer, poderão negociar a ampliação das vagas de vereadores. “Se admitirmos o mesmo número de vereadores antes da resolução do TSE, nosso problema será baixar os gastos das câmaras”, afirma Vítor Penido.

A Constituição estabelece que as câmaras de cidades com até 100 mil habitantes podem gastar até 8% das receitas correntes; nas câmaras de cidades entre 100 mil e 300 mil habitantes, as despesas podem alcançar 7% das receitas. Municípios com mais de 500 mil habitantes – e aí se incluem Belo Horizonte, Contagem, Juiz de Fora e Uberlândia – podem repassar ao legislativo até 5% das receitas tributárias não vinculadas e transferências constitucionais não vinculadas. Em 2005, Belo Horizonte repassou R$ 83,5 milhões. Em 2006 foram R$ 86,9 milhões. Para este ano estão previstos R$ 102 milhões, ou seja, uma despesa equivalente a R$ 8,5 milhões ao mês – R$ 283,3 mil por dia.

Apesar de a proposta de emenda constitucional em pauta na Câmara dos Deputados estabelecer uma diminuição de 0,5% em relação ao atual patamar de despesas das câmaras nas diferentes faixas de população, a redução é considerada insuficiente. “A legislação diz que é necessário gastar 15% do orçamento municipal com a saúde e, ao mesmo tempo, autoriza a despesa de quase a metade com a atividade legislativa. Temos de reduzir em muito mais esses gastos”, reitera Penido.

Críticas

Opinião diferente manifesta o vereador de Coromandel Rogério Rodrigues (PDT), presidente da Associação Brasileiras de Câmaras Municipais (Abracam). “A proposta define o número máximo de vereadores para que cada município, com a autonomia garantida pela Constituição, defina o tamanho do plenário”, afirma. Segundo Rodrigues, a Câmara dos Deputados não pode deixar para a Justiça Eleitoral a prerrogativa de legislar. “Essa proposta de emenda constitucional nem está resgatando todas as vagas eliminadas pelo TSE”, diz. Rodrigues tampouco aceita as críticas relacionadas aos gastos elevados das câmaras municipais. “Um estudo realizado em 2005 indicou que os legislativos municipais do país gastam, em média, apenas 3,5% das despesas orçamentárias dos municípios”, assinala, em referência a trabalho encomendado ao Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM).

O estudo do IBAM revelou que em 2005, apesar da redução de 16,48% das cadeiras das câmaras municipais do país, em seu conjunto as despesas desses legislativos cresceram em 7,58%. “Isso é um importante indicativo de que os salários dos vereadores nunca foram o maior item de despesa das câmaras”, afirma Rogério Rodrigues.

Entretanto, alguns deputados têm outra interpretação para esses números. Segundo eles, que evitam se identificar para não se indispor com as bases municipais, o aumento dos gastos se deve ao fato de que nas grandes cidades, em que os salários dos vereadores são maiores, ter havido crescimento e não redução dos plenários. Foi o caso da Câmara Municipal de Belo Horizonte, que antes da resolução do TSE tinha 37 cadeiras e agora saltou para 41.

Em números

Vagas de vereadores no país antes da resolução de 2004 do TSE: 60.320

Destas, 9.095 eram em Minas. Hoje são 51.875 cadeiras nas câmaras municipais do Brasil, das quais, 7.853 em Minas.

A PEC 333/2004 eleva para 57.034 o número de vereadores no país, dos quais, 8.695 em Minas. 

“Est modus in rebus”

Se existe um lema para a atual administração municipal de Montes Claros é “Est modus in rebus”, exatamente o que dizia o poeta Horácio (65 a.C. / 8 a.C.) sobre sua arte, ou seja, as coisas têm limite. Limite porque a condução da política municipal é coisa de cocheiro imberbe e inexperiente tentando domar uma carroça com um burrico em disparada.

É fato que a administração nunca teve um grande 1º escalão de servidores. Criou um samba do crioulo doido colocando técnicos sem nenhum conhecimento de gestão, ainda mais da coisa pública, misturado com militantes politiqueiros. O resultado é esta pífia condução administrativa sem qualquer resultado político positivo.

Ontem na reunião da Câmara mais um fiasco. Quando se pensava que a bancada do governo faria uma salva de elogios ao resultado da licitação que, entre mortos e feridos resultou em um pagamento de R$ 12 milhões de reais aos cofres municipais pelas atuais concessionárias do serviço público, ocorreu justamente o contrário.

O vereador Mameluque (PMDB) quase sufocou os governistas, que são maioria na casa, afirmando que a licitação só foi concluída porque a oposição não deixou haver maracutaia. Pura falácia. Mesmo não concordando muitas vezes com a atual administração devo reconhecer que foi o único prefeito com “peito” para conduzir a licitação. Por que o vereador Mameluque não lembrou que quando o partido, do qual é atual presidente, estava no comando municipal não teve coragem de fazer a licitação? Simplesmente renovou a concessão sem que houvesse pagamento de um centavo para os cofres públicos.

A culpa disto é justamente dos condutores da política municipal. Nesta prefeitura não tem Secretaria de Governo? Quem cuida da relação com os vereadores? Cadê o responsável pelas relações institucionais? E a toda poderosa secretaria de Comunicação, faz o quê? Será que ninguém pensou em munir os vereadores de munição para debater a licitação e enaltecer o ganho para a população?

Acho que agora, mesmo distante quase 12 meses do pleito de 2008, o sentimento geral da administração é “o ultimo a sair apaga a luz”. Que pena!

Câmara aprova por unanimidade aumento de verba para municípios

plenario-aprova-reajuste-fpm.jpgApós passar por duas votações na Câmara, o aumento do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) segue agora para o Senado. Os deputados aprovaram a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 58/2007 por unanimidade. Foram 389 votos a favor e apenas a abstenção do presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP).

A aprovação, em segundo turno, aumentou em um ponto percentual o FPM repassado a municípios. As prefeituras agora vão ter direito a 23,5% da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Antes, os municípios recebiam 22,5%.

O aumento foi promessa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última Marcha de Prefeitos a Brasília. Segundo o projeto, o repasse será reajustado a partir de setembro, mas será pago nos primeiros dez dias de dezembro.

PS: Vamos aguardar para ver até quando dura a satisfaçao dos municípios com o aumento da CPMF, que nem de longe resolverá os problemas municipais. Isto porque o grande mal continua sendo a corrupção e falta de competência para gerir a coisa pública.

Como pesquisar no Google

Sempre quis arranjar tempo para explicar a todos os leitores as várias funcionalidades do Google. Tempo para escrever ainda não arrumei, mas copiei um post que ensina as diversas opções de pesquisas no Google. Vamos lá:

google_sm1.gif

a) Opções básicas

O Google não diferencia letras maiúsculas, minúsculas ou acentuação. Para o programa, coração é a mesma coisa que coracao ou CoRaÇÃo.

1) Busca simples
Você pode fazer uma busca com uma ou mais palavras: quando elas são separadas por um espaço, o sistema procura uma E também a outra. Exemplo : Cópia Carbono. Como resultado, o programa vai trazer todo os sites que tenham as palavras Cópia E Carbono, mesmo se elas estiverem separadas no texto.

2) Frase exata
Colocando as duas palavras entre aspas, a busca será efetuada com todas as palavras, na ordem em que foram escritas. Exemplo: “Cópia Carbono”. O resultado irá apresentar todos os sites nos quais a palavra Cópia é obrigatoriamente seguida pela palavra Carbono.

3) Excluindo uma palavra
É possível fazer isso colocando um sinal de menos (-) na frente da palavra que deseja excluir . Exemplo: “carros novos” -Ford. O resultado vai apresentar sites que tenham “carros novos”, nesta ordem, e não contenham a palavra Ford.

b) Opções avançadas

1) Busca no título da página
Para buscar o título da página, esse que aparece lá no topo da janela, escreva o termo intitle:, seguido da expressão que quer encontrar. Exemplo: intitle:”fotos da Playboy”. O resultado irá apresentar as páginas que contenham a expressão “fotos da Playboy” no título, e não necessariamente no corpo da página. Use allintitle: para buscar por todas as palavras e expressões no título .

2) Procurar em um site específico
Você pode procurar dentro de um site específico, usando o termo “site:” acrescido da URL básica do site. Exemplo : “fotos da Playboy” site:copiacarbono.blogspot.com. O resultado irá apresentar todos os registros da expressão “fotos da Playboy” apenas no Cópia Carbono

3) Todas as palavras no texto da página
Quando você quiser garantir que todas as palavras estão no texto da página (não em links, título e etc), use allintext:. Exemplo: allintext: “fotos”. O resultado irá apresentar apenas sites em que a expressão “fotos” esteja no corpo do texto.

4) Busca por intervalo entre números
Se você está procurando um produto e quer apenas os resultados de busca entre duas faixas de preço, use valor 1..valor 2Exemplo: “Câmera digital” 500..1.000. O resultado conterá sites com a expressão “câmera digital” e números inteiros entre 500 e 1.000.

5) Busca por tipos específicos de arquivos
Pode ser que alguma vez seja necessário encontrar um arquivo com uma extensão específica, como um arquivo PDF de um manual que você perdeu. Para isso, Use o termo filetype: ou ext: acrescido da extensão que você quer. Exemplo: “manual Corsa” ext:PDF. O resultado irá apresentar apenas documentos PDF com o a expressão “manual Corsa” em seu conteúdo.

6) Palavras descartáveis
O Google ignora palavras e caracteres comuns, conhecidos como palavras descartáveis. O Google automaticamente descarta termos como “http” e “.com”, assim como dígitos ou letras isoladas, porque eles raramente ajudam na busca e podem torná-la consideravelmente mais lenta. Use o sinal “+” para incluir palavras descartáveis na sua pesquisa. Tenha a certeza de incluir um espaço antes do sinal “+”. Você pode também incluir o sinal “+” na busca de frases.

c) Números
Também é possível fazer cálculos matemáticos, conversão de moedas, etc.

1) Operações matemáticas
Soma: número + número
Subtração: número – número
Multiplicação: número * número
Divisão: número / número
Clique aqui para ver a lista completa de operações.

2) Operações de conversão de moeda
Você precisa saber quanto vale US$ 100 em euros? Simples : escreva o valor, a moeda de origem, a palavra in e a moeda final. Exemplo: 100 USD in euros. Uma observação importante:se o Google aparece em português para você, use no lugar de IN a opção EM: 200 USD em euros.

Bem , com essas dicas você já consegue achar as outras utilidades do Google .

Copiei a dica do Cópia Carbono

MP deve assinar acordo para coibir crimes no Orkut

orkut.jpg

O Ministério Público de Minas Gerais deverá assinar em breve um convênio com o Google Inc., responsável pelo site de relacionamentos Orkut, para tentar coibir a prática de crimes por meio do endereço de relacionamentos mais popular da internet. Conforme o promotor de Justiça Rodrigo Albuquerque, a empresa se comprometeu a disponibilizar e aperfeiçoar ferramentas de identificação de páginas com conteúdos criminosos. Além disso, deverão ser fornecidas ao MP guias de identificação de pessoas que eventualmente venham a cometer crimes.A intenção dos promotores é também ampliar o período de arquivamento dos dados dos computadores que acessam as páginas com conteúdos criminosos. “Hoje a gente consegue guardar por até três anos os registros”, disse Albuquerque. “Com isso, teremos mais tempo para investigar e identificar as pessoas. Com essas ferramentas, será possível tirar a página do ar, mas guardar as informações para obter a materialidade do crime. E é possível também, se for o caso, manter a página no ar, extremamente vigiada por algum tempo, até que a gente obtenha mais informações”.

O promotor disse que a minuta do convênio já está pronta. A capital mineira é sede do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) do Google Inc. na América Latina. O centro foi criado a partir da aquisição da mineira Akwan Information Technologies, em julho de 2005. Segundo Albuquerque, o alvo principal do convênio são os crimes “mais nocivos ao coletivo” praticados pela internet, como a pedofilia e o tráfico de armas e entorpecentes.

Em agosto do ano passado, por exemplo, a 5ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte concedeu liminar em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), determinando que o Google promovesse o imediato cancelamento de quatro comunidades do Orkut que comercializavam, instigavam ou induziam ao consumo do cloreto de etila, popularmente conhecido como lança-perfume.

Os crimes contra a honra, no entanto, costumam ser mais comuns. Em abril deste ano, um estudante de geografia foi condenado pela 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais a pagar indenização, por danos morais, no valor de R$ 3,5 mil, a um colega de turma. O réu criou uma comunidade no Orkut com ofensas ao colega, cuja aparência foi comparada à do folclórico “ET de Varginha”. 
 
Agência Estado 

Google é a marca mais valiosa do mundo; GE é 2ª

google.jpg

O Google se tornou em 2006 a marca mais cara do mundo, com uma avaliação de US$ 66,343 bilhões que supera a de General Electric (GE), Microsoft e Coca-Cola, segundo o ranking BrandZ, publicado hoje pela empresa de consultoria Millward Brown.

O site de busca mais usado no mundo aumentou em 77% o valor de sua marca em relação a 2005, o que permitiu à empresa superar a GE (com um valor estimado em US$ 61,88 bilhões), a Microsoft (US$ 54,951 bilhões), a Coca-Cola (US$ 44,134 bilhões), a China Mobile, a Marlboro e a maior rede de supermercados do mundo, a Wal-Mart.

Os criadores do Google, que registraram o domínio google.com em setembro de 1997, conseguiram em menos de uma década estabelecer uma marca com um valor superior ao do refrigerante mais bebido do mundo, a Coca-Cola, da cadeia de fast-food McDonald’s e da marca de carros de luxo BMW.

O valor das 100 empresas da lista, que leva em conta informação financeira e a opinião de mais de um milhão de usuários, cresceu 10,6% frente a 2005, passando de US$ 1,44 trilhão para US$ 1,6 trilhão.

Fonte: Portal Terra