Archive for the ‘Estados Unidos’ Category

Retrospectiva 2008 em fotos

O Boston Globe mostrando a restrospetiva do ano 2008 em fotos de alta definição e impressionantes. Óbvio como o jornal é americano, muitos dos acontecimentos mostrados são originários do Estados Unidos. Mas vale ver as fotos. Algumas, que contém cenas mais fortes, como cadáveres, é necessário clicar no link para aparecer. Abaixo alguns exemplos:

ronaldinho-jun08

terremoto-china-set2008

furacao-eua-set08

Parte 1 / Parte 2 / Parte 3

Anúncios

Haja sapatos!

Quer ver as principais reações da internet em relação ao incidente em Bagdá? Veja neste artigo da Wired uma boa compilação de jogos e gif´s animados do Bush tomando sapatadas.

bush_shoe_game

Vi a dica no Velho

Charge(s) do dia

auto_lute

lezio1
auto_duke2

Boa notícia: você já pode dar ‘sapatadas’ em Bush

bushshoes

Foi ao ar, nesta segunda (15), uma brincadeira divertida. Propicia a qualquer um o gostinho de atirar sapatos na cara de George Bush. Oferece-se aos navegantes duas vantagens sonegadas ao inspirador do jogo, o repórter Muntazer al-Zaidi, da TV Al-Bagdadia, sediada no Egito:

1. Mesmo quem tem má pontaria acaba acertando o alvo.

2. Ninguém corre o risco de ser agarrado por agentes do serviço secreto americano.

Cada rodada dura 20 segundos. Nesse intervalo, você pode alvejar Bush tantas vezes quantas conseguir.

Basta pressinar a o mouse na imagem do repórter. O signatário do blog alcançou logrou acertar 11 sapatadas. Marca insignificante. Houve quem acertasse 54.

Nesta segunda (15), o gesto do atirador de sapatos ganhou as manchetes do mundo. No Iraque, milhares de pessoas foram às ruas. Pediram a liberação do jornalista, que continua preso.

Também as mulheres americanas do Code Pink, grupo pacifista que se opõe à guerra no Iraque, se solidarizam com Muntazer. Vão levar sapatos à Casa Branca nesta quarta (17).

A eleição do democrata Barack Obama já deixara claro que a relação de Bush com a opinião pública se esmigalhara.

Faltava um símbolo para a ruína. Os sapatos de Muntazer al-Zaidi supriram essa lacuna.

Vi no blog do Josias

Ajuda a montadoras entra em ‘colapso’ no Senado dos EUA

aroeira2

As negociações sobre um pacote de US$ 14 bilhões de auxílio às três maiores montadoras de automóveis dos EUA entraram em colapso no Senado americano nas primeiras horas desta sexta-feira, horário de Brasília. O plano não conseguiu apoio suficiente para ir a votação na casa.

O senador Harry Reid, líder da maioria democrata, afirmou que as negociações estancaram depois de os representantes da central sindical United Auto Workers terem se recusado a aceitar a proposta dos republicanos de cortar salários em troca do auxílio.

Os republicanos defendiam que a ajuda só deveria ser concedida às montadoras caso os trabalhadores concordassem com cortes de salários no próximo ano, para que eles se equiparassem com os das montadoras japonesas.

Segundo o senador republicano Bob Corker, os dois partidos estiveram perto de um acordo, mas a resistência por parte da central sindical de fazer concessões em termos salariais antes de 2011 fez o pacote ruir.

Harry Reid se disse “terrivelmente desapontado” quando viu que a possibilidade de votação havia falhado. Ele chamou o fato de “perda para o país”.

“Eu temo ver (o que acontecerá) com Wall Street amanhã. Não será um bom sinal” disse.

O porta-voz da Casa Branca Tony Fratto também afirmou que o governo está “decepcionado com o Congresso” e que irá avaliar outras opções, mas não deu detalhes.

O plano de auxílio a General Motors, Chrysler e Ford foi aprovado pela Câmara dos Representantes dos EUA na última quarta-feira.

Para que o plano fosse aprovado no Senado, os democratas necessitavam do apoio dos republicanos, já que eles têm a maioria de apenas um voto na casa. Entretanto, mesmo alguns democratas se colocaram contra a medida.

A General Motors e a Chrysler afirmam que correm o risco de ruir sem ajuda imediata. Já a Ford afirma que pode precisar da ajuda no futuro.

Fonte: BBC Brasil

Goodby Jerry!

Jerry Yang - CEO YahooA vida de CEO é realmente muito complicada. Tem suas vantagens sim, mas muitas vezes não é nada fácil. Vejamos o caso do Jerry Yang, CEO do YAHOO. Ele retornou ao Grupo YAHOO em 2007 sob ovação. Sai, agora no apagar de 2008 sob vaias e humilhação. Seu fracasso começou com a recusa da oferta de compra da Microsoft. O Jerry Yang conseguiu convencer os acionistas que o oferta de US$ 31,00 por ação (valor total US$ 44,6 bilhões) deveria ser recusada, uma vez que o valor justo era US$ 37,00 por ação (US$ 53,26 bilhões). Steve Balmer, CEO da Microsoft não aceitou a contra-proposta e encerrou as negociações. Na segunda-feira última, dia 17/11, as ações do YAHOO, pós-crise, fecharam em US$ 10,63, ou seja, menos de 1/3 do que valiam em janeiro de 2008.

Para piorar o Jerry Yang não conseguiu estancar a perda de receita com publicidade online que a 03 anos seguidos apresentam quedas. E a “parceria” com a Google foi rejeita pelo governo americano sob a alegação que era a criação de um monopólio de propaganda online.

Se você fosse acionista do YAHOO pediria ou não a cabeça do CEO?

Vi a notícia no Wall Street Journal (versão online)

Veja: Coluna de André Petry – Fim da moral que mata

Uma grande notícia ficou escondida debaixo da vitória de Barack Obama – é o começo do fim da moral que mata.

Obama prometeu em campanha, e reafirmou depois da eleição, que vai revogar as restrições impostas por Bush às pesquisas com células-tronco embrionárias, nas quais repousam as melhores esperanças de alívio e até de cura de doenças como diabetes, Alz-heimer e Parkinson. Bush proibiu o uso de dinheiro público para financiar essas pesquisas sob o argumento de que, ao destruir embriões, elas matam seres humanos. Bush é da opinião que óvulo e gente se equivalem.

Nos Estados Unidos, quem melhor representa essa corrente são os radicais da direita cristã. Eles defendem o absolutismo moral, religião infecciosa segundo a qual a moral não comporta exceção. Se eles são contra o aborto, o serão em qualquer situação, mesmo no caso da menina de 13 anos que engravida ao ser estuprada pelo próprio pai. O absolutismo moral é o que leva, como no caso das pesquisas com embriões, à defesa da moral que mata. Mata portadores de doenças incuráveis e fatais. Mata gente para preservar óvulo. Eles chamam essa obtusidade de firmeza.

A eleição de Obama é um sinal de que as coisas podem mudar. Os eleitores do estado do Colorado, além de escolher o presidente, votaram a Proposição 48, que previa incluir na Constituição estadual que um óvulo fertilizado é igual a uma pessoa – o que implicaria enormes restrições ao aborto e às pesquisas com embriões. Resultado: 73,3% rejeitaram a idéia. No estado de Michigan, a Proposição 2 removia restrições às pesquisas com células-tronco de embriões. A proposta passou por 52,6% contra 47,4%, placar mais apertado que a aprovação do uso medicinal da maconha (62,6% a 37,4%).

Conversei por telefone com Amy Comstock Rick. Ela comanda a Parkinson’s Action Net-work, entidade que representa os portadores da doença nos EUA (são 1 milhão; 60 000 novos casos são diagnosticados por ano) e, nessa condição, foi escolhida para presidir a Coalition for the Advancement of Medical Research, guarda-chuva de uma centena de órgãos que defendem o avanço da pesquisa e da tecnologia na medicina. Amy Rick está otimista com os novos tempos. Sobretudo com a saída de Bush.

“A oposição mais forte às pesquisas com células-tronco embrionárias”, diz ela, “não vem do governo Bush, vem da pessoa do presidente. Bush é pessoalmente contra.” Estaria Bush representando a maioria dos americanos? “Não. Três quartos dos americanos apóiam as pesquisas com embriões.”

A normalização da pesquisa nos EUA, meca do dinheiro, do estudo e da tecnologia, será uma grande notícia para todos os cidadãos do mundo, doentes e sadios, incluindo os absolutistas morais que lutam para barrar a ciência e, um dia, vão se beneficiar dos seus avanços. Dos avanços, como se diria no vernáculo deles, da imoralidade que salva.

Marine revela que recebeu ordem para executar mulheres e crianças

frank_wuterich.jpgUm cabo dos fuzileiros americanos disse nesta quinta-feira que recebeu ordem para atirar contra mulheres e crianças no povoado iraquiano de Hadiya, durante a audiência preliminar contra um sargento acusado de liderar o massacre, em 2005. Na abertura da audiência sobre o caso contra o sargento Frank Wuterich, em Camp Pendleton (200 km ao sul de Los Angeles), o cabo Humberto Mendoza contou que após a explosão de uma bomba em uma estrada próxima a Hadiya, que matou um marine, o sargento Wuterich ordenou que seu grupo atirasse contra casas que supostamente abrigavam rebeldes.

Segundo o cabo Mendoza, horas após a explosão da bomba o sargento Wuterich liderou uma operação contra os rebeldes e determinou que se atirasse em qualquer pessoa que abrisse a porta após o chamado dos marines.

“Ele disse: só esperem a porta abrir e atirem”, revelou Mendoza, admitindo que disparou contra um homem adulto.

Dentro de uma casa, Mendoza disse que recebeu ordem de outro marine, Stephen Tatum, para atirar contra sete mulheres e crianças que estavam escondidas em um quarto: “Quando abri a porta, havia apenas mulheres e crianças (…) e depois de poucos segundos, percebi que não eram uma ameaça (…) pareciam assustados”.

Logo após sair do quarto, Mendoza encontrou Tatum e relatou que lá só havia mulheres e crianças, mas mesmo assim recebeu ordem de atirar.

vitimas.jpg

O cabo revelou que ainda tentou argumentar com Tatum, dizendo que “eram apenas mulheres e crianças”, mas o outro marine ficou calado. Algum tempo depois, quando estava diante da casa, Mendoza ouviu um forte barulho e quando voltou ao quarto, encontrou todos mortos.

Um investigação paralela realizada pelo major Haytham Faraj encontrou uma menina que sobreviveu ao massacre e que afirma que Mendoza foi o homem que atirou contra o grupo no quarto, no dia 19 de novembro de 2005.

Veja 3: Chávez, o eterno

chavez.jpgReportagem de Diogo Schelp:
Outro dia, outro passo de Hugo Chávez em seu projeto de se converter na versão século XXI do manjado ditador latino-americano. Na semana passada, o presidente venezuelano já tinha quase pronta a nova proposta de reforma constitucional a ser votada ainda neste ano pelo Congresso venezuelano. A principal novidade será a concessão do direito de se reeleger quantas vezes quiser e puder. O privilégio só vale para o presidente, pois seria mantido o veto à reeleição de governadores e prefeitos. A aprovação das mudanças na Constituição é dada como certa, já que todos os deputados venezuelanos são chavistas – a estranha unanimidade na Assembléia Nacional deve-se ao fato de a oposição ter boicotado as eleições parlamentares de 2005, reclamando de fraude. No poder há oito anos, o presidente venezuelano busca agora se tornar governante vitalício, a exemplo de seu mentor Fidel Castro.
(…)
Hugo Chávez sempre teve o cuidado de legitimar sua permanência no governo com a convocação de eleições e plebiscitos. Não é uma estratégia original. Na verdade, trata-se de um procedimento quase padrão nos países atormentados por presidentes vitalícios. Não é sem razão que Alexander Lukashenko, melancolicamente conhecido como o “último ditador da Europa”, perfila agora entre os “muy amigos” de Chávez. Proibido de entrar em qualquer um dos países da União Européia, Lukashenko acaba de assinar com a Venezuela a venda de 1 bilhão de dólares em armamento moderno. Um levantamento feito pela cientista política Jennifer Gandhi, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, mostra que os ditadores que mantêm fachadas institucionais são aqueles que por mais tempo conseguem ficar no poder. Perpetuar-se no cargo tornou-se também a ambição do presidente boliviano Evo Morales, uma cria de Chávez. Há duas semanas, deputados do partido de Morales propuseram incluir na nova Constituição o direito à reeleição sem limite na Bolívia. Chávez é o mau exemplo. Assinante lê mais aqui

Foto: AFP

Nova York: US$225.000,00 por uma vaga de estacionamento

seinfeld-theparkingspace.jpg

Para vocês terem uma idéia de como é caro estacionar na cidade que nunca dorme, um condomínio no Lower West Side anunciou a venda de cinco vagas de estacionamento por nada menos que 225.000 dólares cada! O valor é quase igual ao dos apartamentos acima. Aí a reação natural de todos é pensar: “Mas quem seria louco o suficiente para desembolsar essa quantia por uma simples vaga na garagem? Bom, cinco pessoas já estão na fila…

Vi no Motorblog

Veja 2 – Para nunca mais perguntar quem matou JFK

Resenha do livro Reclaiming History (algo como “História Resgatada”), do promotor americano Vincent Bugliosi.

“Ah… o assassino pode também ter sido Larry Crafard. Larry quem? Ora bolas, o vigia noturno do Carousel Club, a boate cujo dono era Jack Ruby, o homem que matou Lee Oswald. Crafard é o candidato a assassino preferido do maior de todos os autores de teorias conspiratórias, o promotor Jim Garrison, de Nova Orleans, vivido no cinema pelo astro Kevin Costner em JFK, filme de Oliver Stone, exibido no Brasil em 1991. Qual a evidência contra Larry Crafard? Depois do assassinato de Kennedy, o desempregado Crafard voltou de carona para sua cidade natal, no estado de Michigan. Só isso? Só. Mas é desse material que são construídas as teorias conspiratórias. A escassez de lógica, paradoxalmente, as torna bem mais difíceis de ser dinamitadas por provas reais.

Além de fluidas, incorpóreas, transmissíveis como o vírus da gripe no vagão do metrô, as teorias sobre a morte de JFK têm um grande aliado, a natural, e em muitos casos amplamente justificada, incredulidade das pessoas diante de versões oficiais. Sete de cada dez americanos recusam a idéia de que Lee Oswald agiu sozinho no dia 22 de novembro de 1963, em Dallas. Cinco em dez preferem acreditar que Deus criou todos os seres vivos como descrito no livro bíblico Gênesis a aceitar a teoria da evolução de Charles Darwin. Quatro em dez acham que o homem nunca foi à Lua e que a Nasa inventou tudo. O número de americanos que acreditam em anjos é maior que o daqueles que acreditam em antibióticos.

Mas, como Vincent Bugliosi mostra, não se pode colocar todo o peso da propagação das mentiras no caso JFK sobre os ombros das pessoas que acreditam nelas. O livro de Bugliosi tem o pomposo título de Reclaiming History, que pode ser traduzido para História Resgatada. Ele foi escrito não apenas para convencer o leitor de que Lee Oswald agiu sozinho mas para provar que as teorias conspiratórias não passam de idiotices produzidas por pessoas movidas pelas mais diversas razões. Essa é uma abordagem bem mais proativa do que, por exemplo, a adotada por outro formidável livro, Case Closed (Caso Encerrado), de Gerald Posner, que se limita a demonstrar que o tiro que matou Kennedy foi dado por Lee Oswald. Bugliosi faz um livro de combate. Ele assume o tom usado pelos promotores nos tribunais do júri. Quer e consegue incriminar Lee Oswald, que, pelas páginas de “História Resgatada”, finalmente enfrenta a justiça dos homens – uma vez que Jack Ruby o colocou diante do tribunal divino dois dias depois do crime. Bugliosi consegue também, e o faz com um prazer indisfarçável, destruir as teorias conspiratórias que proliferaram depois da morte de Kennedy.” Assinante lê mais aqui