Archive for the ‘Comida’ Category

Luta segue noite adentro em Gaza; aumenta número de mortos

Soldados israelenses com apoio da artilharia aérea disputavam território nesta segunda-feira, 5, com combatentes do Hamas dentro da Faixa de Gaza, apesar dos apelos internacionais por um cessar-fogo.

Segundo oficiais da ONU e autoridades da saúde de Gaza, mais de 550 palestinos morreram e cerca de 2,5 mil ficaram feridos desde o início da ofensiva israelense, há dez dias, que já vitimou mais de 200 civis. Em discurso em uma rádio nesta noite, Abu Ubaida, porta-voz militar do Hamas, conclamou os combatentes a lutarem “em cada rua, em cada beco” e ameaçou disparar ainda mais foguetes contra Israel.

Os presidentes da França, Nicolas Sarkozy, que foi ao Oriente Médio tentar mediar a crise, e dos EUA, George W. Bush, a 15 dias do fim de seu mandato, fizeram um apelo por um cessar-fogo. Mas as discordâncias sobre quem vai parar de atirar primeiro e quais seriam os termos da trégua tornam essa hipótese remota.

AP

Cidade de Gaza é atacada por Israel durante a noite. Foto: AP

Falta comida, água e energia em Gaza. Entre as vítimas desta segunda-feira estão 13 integrantes de uma família palestina cuja casa, num campo de refugiados, foi atingida num bombardeio, segundo fontes médicas.

Cinco das oito linhas que fornecem eletricidade à faixa vindo de Israel e do Egito foram destruídas pelos ataques israelenses, que também inutilizaram a única central elétrica desse território palestino, o que lhe deixou sem 75% da provisão de energia que precisa. Além disso, a grande maioria de poços funciona com bombas a motor, e por isso sem eletricidade não há água.

O Exército de Israel disse já ter matado dezenas de combatentes do Hamas desde o início da incursão terrestre, no sábado, depois de uma semana de bombardeios por mar e ar. Israel lançou a ofensiva depois do fim de uma trégua de seis meses, em dezembro, quando o Hamas intensificou o uso de foguetes em resposta contra as ações militares e o bloqueio ao território, que esteve sob ocupação israelense entre 1967 e 2005.

Os combates desta segunda-feira entraram pela noite. Militantes usam morteiros, granadas e minas, e tentam atrair os soldados para áreas densamente urbanizadas, segundo testemunhas. A Força Aérea de Israel bombardeou dezenas de alvos, inclusive casas de membros do Hamas usadas como depósitos de armas.

Ao anoitecer, os soldados tentavam capturar um morro com vista para a cidade de Jabaliya e um campo de refugiados, mas enfrentavam a forte resistência dos combatentes islâmicos, segundo testemunhas. Israel concentrava sua artilharia e sua aviação nessa área.

O avanço militar de Israel na Faixa de Gaza, que tem 40 quilômetros de comprimento, separou o território. A Cidade de Gaza está sob cerco. A divisão da faixa em três partes sem comunicação pelas forças invasoras israelenses faz com seja “extremamente perigosa” a passagem de um lado a outro, o que dificulta o trabalho das agências humanitárias, incapazes de chegar aos mais de um milhão de pessoas que dependem delas para sobreviver.

Não há também sacos de cadáveres para todas as vítimas do conflito. Israel deixou passar nesta segunda um caminhão com ajuda humanitária e 200 mil litros de combustível, mas o fornecimento não chegou ao outro lado em função dos incessantes ataques do Exército israelense.

O ministro israelense da Defesa, Ehud Barak, disse que a operação ainda pode ficar mais difícil. De acordo com ele, o Hamas sofreu um golpe, “mas não podemos dizer que sua capacidade de combate tenha sido afetada”. “O Hamas não buscou o confronto direto com as nossas forças e quer atraí-las para áreas urbanas. Há momentos difíceis pela frente nesta operação, e o principal teste ainda pode estar por vir.”

A chanceler de Israel, Tzipi Livni, rejeitou as propostas européias para o envio de observadores internacionais à Faixa de Gaza, e sugeriu o envio de equipes que ajudem a localizar e lacrar túneis que possam ser usados pelo Hamas para o contrabando de armas. Na ONU, países árabes estão redigindo uma resolução – com poucas perspectivas de aprovação – que exige um fim imediato à “agressão israelense.”

Ceia de Natal fica até 30% mais cara com preços variando em até 309%

Nice Silva, Especial para o Hoje em Dia

A ceia de final de ano deve ficar entre 20% e 30% mais cara, calculam comerciantes. Todos os produtos importados e, portanto, com preços vinculados ao dólar, sofreram com a elevação da moeda norte-americana a partir do mês de setembro. De janeiro a novembro deste ano, o dólar acumula um aumento na cotação de 35,59%. Até as brasileiríssimas castanhas de caju e do Pará, que têm os preços influenciados pelas exportações, aumentaram entre 15% e 20% e se igualaram ao encarecimento das tâmaras, das castanhas chilenas, dos damascos turcos ou do pistache iraniano.

Segundo pesquisa divulgada ontem pelo site Mercado Mineiro, a diferença entre os preços praticados na semana passada e a última semana de novembro de 2007 pode chegar a 61%, caso da ameixa importada. As nozes (35%) e as avelãs (18%) também ficaram mais salgadas.

Mesmo com a alta de preços imposta pela desvalorização do real, no entanto, continua valendo a pena bater perna para pesquisar. O quilo da castanha do Pará, por exemplo, pode variar de R$ 8,90 a R$ 38,99, uma variação de 338,08%, segundo a pesquisa.

No Mercado Central, o bacalhau mais vendido, o saith, tem preços que variam entre R$ 16,90 e R$ 25 o quilo. Já a variedade mais cara, o bacalhau do Porto, pode ser encontrado de R$ 39,90 a R$ 69,80 nas lojas especializadas e supermercados, uma diferença de 78,97%.

Mas o consumidor anda estranhando o sal do bacalhau. O comerciante Geraldo Henrique Lopes, do empório Amanda, diz que há uma semana baixou o preço do corte sem pele e espinhas, de mais de R$ 78 para pouco mais de R$ 70.

Também baixou outro corte mais barato, de R$ 48,90 para R$ 46,90. Ele diz que as medidas tiveram pouco efeito, e o movimento continua fraco , e se queixa também da especulação dos importadores: “eles vendem, mas não entregam”, conta, referindo-se aos atacadistas paulistas dos quais ele compra e que estariam segurando a mercadoria, de olho no vaivém do dólar e na proximidade das festas de fim de ano. Segundo Lopes, o preço do bacalhau pode subir ainda mais nos próximos dez dias.

O comerciante Cleisson Valadares, do Empório Valadares, afina o coro com Lopes. “É claro que eles especulam, porque a cada dia que a gente consulta, o preço sobe acompanhando a cotação do dólar”, observa.

Mas o vendedor Gesivaldo Santiago, da Minas Caju, acha que o preço do bacalhau já se estabilizou. “Os importados variam de acordo com a onda do dólar, mas parece que a moeda já conseguiu uma certa estabilidade, por isso o bacalhau não deve mais subir”, defende.

O gerente do Império dos Cocos, Alexandre Cândido, garante que a crise não elevou o preço do bacalhau que ele vende. “Tinha feito estoques entre julho e agosto e espero manter o preço até encerrar o ano”, diz.
Cândido avalia que o consumo do bacalhau vem passando por mudanças de uns 13 anos para cá. “Atualmente, até restaurantes de comida a quilo têm o bacalhau no cardápio, e o consumo do final de ano que era pequeno há alguns anos, já chega a ser cerca de 80% do que é consumido no período da Quaresma”, explica.

No Império das Azeitonas, as graúdas e as castanhas de caju tiveram elevação de 27% há um mês e meio e ficaram nas alturas. Mas o comprador Dulcinei de Souza Silva não se abala e assegura que a freguesia se mantém fiel. “Não faço estoque. O preço pode estar alto, mas o freguês sabe que aqui ele tem garantia de encontrar mercadorias novas”, diz.

Entre lojas, a variação dos preços justifica, e muito, a pesquisa. O quilo de passas, por exemplo, varia 309,52%, com a preços entre R$ 3,15 e R$12,90. Já o quilo das amêndoas variou de R$ 19,58 até R$ 62,49 na semana passada, uma diferença de 219,15%. entre os estabelecimentos.

Para o quilo das nozes sem casca foram encontrados preços entre R$ 45 e R$93,90, o que representa uma variação de 108,66%. Já o quilo da ameixa seca com caroço registrou uma variação de 74,41%, com o menor preço encontrado a R$ 8,99 e o maior de R$ 15,68 . Confira a pesquisa na íntegra em www.mercadomineiro.com.br. (Colaborou Cássia Eponine)

Rico gasta 10 vezes mais que maioria pobre

A desigualdade ainda é o grande problema nacional. A Pesquisa de Orçamento Familiar do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que 10% de brasileiros mais ricos gastam 10 vezes mais que os 40% mais pobres. O estudo constata que o brasileiro trabalha para pagar as contas. Em média, 74,69% da renda mensal é usada em habitação, alimentação e transporte. Só depois vêm as despesas com saúde (6,49%) e educação (4,08%). A desigualdade em Minas Gerais é menor do que a média brasileira: os mais ricos gastam 8,9 vezes mais que os pobres.

ricos-e-pobres-ibge.jpg

Festival em Tiradentes revela gastronomia democrática

festival-tiradentes.jpg

 Reportagem de Eduardo Tristão Girão para o Estado de Minas: 
No segundo dia, o Festival Internacional de Cultura e Gastronomia de Tiradentes deu mostras de que sua proposta democrática está consolidada. De jantares sofisticados a cursos gratuitos nas praças, a programação do evento, em sua 10ª edição, atraiu muita gente para a cidade histórica mineira. Além de almoços e jantares de todos os preços, o público poderá conferir, até o próximo domingo, várias atividades (muitas delas gratuitas), entre cursos de culinária, debates, degustações, shows e exposições.

A manhã de sábado foi marcada por um dos eventos mais tradicionais, o preparo da paella no Largo das Forras. Gente de todas as idades acompanhou passo a passo a receita do mais famoso prato espanhol, ensinada pelo chef Eduardo Maya. Acompanhada pelos pais, Luís e Teresa, a pequena Bruna Macknight, de 7 anos, é uma das primeiras a experimentar o prato, assim que ele começou a ser oferecido ao público presente. “Ela ama azeite de oliva”, comenta sua mãe.

“Antes, íamos mais aos festins. Desta vez, estamos acompanhando mais os eventos abertos ao público. Eles são mais democráticos, mais importantes. Uma verdadeira aula”, afirma Luís. É a sexta vez que o casal, vindo da cidade paulista de Sorocaba, visita Tiradentes em razão do festival. “Devemos voltar na semana que vem”, ele diz. Neste domingo haverá curso gratuitos de vinagretes e marinadas e de risotos, no Largo das Forras. No Largo da Rodoviária, serão feitas degustações de pães finos e cafés a partir das 12h.

Também no Largo das Forras, o bar oficial do Comida di Buteco é outra prova de que a programação de apelo mais popular é um dos pontos altos do festival. Quatro bares de Belo Horizonte marcaram presença no local: Família Paulista, Köbes, Bar do Véio e Bar do João. Cada um serviu seu próprio petisco, com preços variando entre R$ 10 e R$ 17. “Boteco também faz parte da gastronomia. O público do festival é de alto nível, gente que também freqüenta boteco”, avalia Nicola Vizioli, proprietário do bar Família Paulista. Apesar de a cozinha ter encerrado suas atividades por volta de 1h, a clientela permaneceu no bar além das 2h.

“Sempre tivemos preocupação com variedade de culinárias e preço. A comida dos botequins é de qualidade e é brasileira. Atende desde a pessoa que só pode pagar por um petisco até gente mais sofisticada”, diz Ralph Justino, um dos organizadores do evento. Ele também comemora a procura pelos festins (jantares especiais), já que os ingressos de alguns deles foram esgotados já no mês passado. “Há dois anos não acontecia isso”, revela.

Um dos destaques foi o festim do projeto Sabor e Saber, comandado pelos chefs André de Melo e Lucas Neri, belo-horizontino e argentino, respectivamente, que trabalham em restaurantes de Barcelona, na Espanha. Eles encantaram o público na noite de sexta-feira, com cardápio sintonizado com a moderna cozinha feita na região espanhola da Catalunha. Ingredientes de alta qualidade (chocolate com grande concentração de cacau, por exemplo), combinações inusitadas (como licor de nozes e rabo de boi) e produtos peculiares (embutido catalão e azeite de carvão, entre outros) marcaram o jantar. “A Catalunha é privilegiada por ter mar e montanha. Por isso, tem tanta diversidade de produtos”, afirma André.