Archive for 12 de junho de 2007|Daily archive page

Sem charge do dia

Montes Claros foi assolada pela barbárie

Uma visita ao avô que havia sido operado era o objetivo de Sidney Júnior no feriado de Corpus Christi. O pai levou de moto o irmão Cláudio de 07 anos e voltou para buscar Sidney que havia sido instruído para fazer parte do caminho à pé. Não mais de 05 minutos separaram o pai de seu último encontro com o filho, pois a casa do avô dista apenas 08 quadras. O garoto Sidney Júnior de apenas 10 anos foi encontrado morto na tarde de ontem, dia 11. Desaparecido desde às 12 horas da última quinta-feira o corpo foi achado próximo à sua residência por um catador de latas. Junto ao corpo sem camisa e com as calças baixadas até o joelho estavam apenas seus chinelos. O rosto foi completamente desfigurado.

Há explicação para este assassinato brutal? Sim, embora tentemos resistir bravamente. A primeira é que existem pessoas ruins que devem ser afastadas do convívio social pelo resto de suas vidas sem qualquer tipo de benefício. Cadeia até a morte. A segunda é a impunidade. Um facínora pode ser solto facilmente após 05 anos de cadeia, caso pegue uma pena de 30 anos, graças à nossa legislação penal. Mata-se hoje em Montes Claros e em qualquer outra parte do Brasil, sem hesitação, sem piedade porque a lei protege os criminosos.

Apesar disto alguns ainda vão evocar a teoria social do crime, como uma absurda hipótese de que pobreza gera violência. Se fosse assim nossa cidade seria um antro de criminosos há tempos, uma vez que sempre foi formada em sua maioria por pessoas pobres.

Outros irão gritar dizendo que há falta de policiais nas ruas. Acontece que não há polícia capaz de coibir um evento como esse. Não quero dizer com isto que ela seja eficiente, mas também não é a culpada.

A cidade está pasma, horrorizada e com nojo dos fatos. Estamos acuados, amedrontados, inertes. Qual será o limite para nossa estúpida vontade de esconder que Montes Claros já não é segura para nossos filhos, para nossa família? Quantos outros Sidney’s terão que ser assassinados, desfigurados, mutilados e jogados em matagais? Não se pode deixar que a morte do Sidney seja apenas um registro policial, uma estatística como se tornaram a Alana Ezequiel e o João Hélio no Rio de Janeiro.

Basta!

Foto: Montesclaros.com

PS: À família de Sidney Júnior minhas condolências. Que Deus abençoe a todos vocês. Mais um anjinho que volta para junto do Pai Eterno.

Pan: Parque Aquático Maria Lenk

Vejam as fotos do Parque Aquático Maria Lenk que está quase pronto para o Pan no Rio de Janeiro. As fotos são da piscina de salto e da piscina das provas de natação.

Carta aberta ao Senador Renan Calheiros

Uma qualidade eu admiro em você: o conhecimento da alma humana. Você sabe manipular as pessoas, as ambições, os pecados e as fraquezas. Do menino ingênuo que fui buscar em Murici para ser deputado estadual em 1978, que acreditava na pureza necessária de uma política de oposição dentro da ditadura militar, você, Renan Calheiros, construiu uma trajetória de causar inveja a todos os homens de bem que se acovardam e não aprendem nunca a ousar como os bandidos.

Você é um homem ousado. Compreendeu, num determinado momento, que a vitória não pertence aos homens de bem, desarmados desta fúria do desatino que é vencer a qualquer preço. E resolveu armar-se. Fosse qual fosse o preço, Renan Calheiros nunca mais seria o filho do “seo” Olavo, a digladiar-se com os poderosos Omena, na Usina São Simeão, em desigualdade de forças e de dinheiros.

Decidiu que não iria combatê-los de peito aberto, descobriria um atalho, um ou mil artifícios para vence-los, e, quem sabe um dia, derrotaria a todos eles, os emplumados almofadinhas que tinham empregados, cujo serviço exclusivo era abanar , por horas, um leque imenso, sobre a mesa dos usineiros para que os mosquitos de Murici (em Murici até os mosquitos são vorazes) não mordessem a tez rósea de seus donos: Quem sabe um dia, com a alavanca da política, não seria Renan Calheiros, o dono único, coronel de porteira fechada, das terras e do engenho, onde seu pai, humilde, costumava ir buscar o dinheiro da cana, para pagar a educação de seus filhos, e tirava o chapéu para os Omena, poderosos e perigosos. Renan sonhava ser um big shot, a qualquer preço. Vendeu a alma, como o Fausto de Goethe, e pediu fama e riqueza, em troca.

Quando você e o então deputado Geraldo Bulhões, colegas de bancada de Fernando Collor, aproximaram-se dele, aliaram-se, começou a ser parido o novo Renan. Há quem diga que você é um analfabeto de raro polimento, um intuitivo. Que nunca leu nenhum autor de economia, sociologia ou direito. Os seus colegas de Universidade diziam isto. Longe de ser um demérito, esta sua espessa ignorância literária, faz sobressair, ainda mais, seu talento de vencedor. Creio que foi a casa pobre, numa rua descalça de Murici, que forneceu a você o combustível do ódio à pobreza e a ser pobre. E Renan Calheiros deci-diu que se a sua política não serviria ao povo em nada, a ele próprio serviria, em tudo. Haveria de ser recebido em Palácios, em mansões de milionários, em congressos estrangeiros, como um príncipe, e quando chegasse a esse ponto, todos os seus traumas banhados no rio Mundaú, seria rebatizados em fausto e opulência. “Lá terei a mulher que quero, na cama que esco-lherei. Serei amigo do Rei.”

Machado de Assis, por ingênuo, disse na boca de um dos seus personagens: “A alma terá, como a terra, uma túnica incorruptível”. Mais adiante, porém, diante da inexorabilidade do destino do desonesto, ele advertia: Suje-se gordo! Quer sujar-se? Suje-se gordo!”.

Renan Calheiros, em 1986, foi eleito deputado federal pela segunda vez. Neste mandato nascia o Renan globalizado, ge-rente de resultados, ambição à larga, enterrando, pouco a pouco, todos os escrúpulos da consciência. No seu caso nada sobrou do naufrágio das ilusões de moço! Nem a vergonha na cara. O usineiro João Lyra patrocinou esta sua campanha com US 1.000.000. O dinheiro era entregue, em parcelas, ao seu motorista Milton, enquanto você esperava bebericando, no antigo Hotel Luxor, av. Assis Chateaubriand, hoje Tribunal do Trabalho. E fez uma campanha rica e impressionante, porque entre seus eleitores havia pobres universitários comunistas e usineiros deslumbrados, a segui-los nas estradas poeirentas das Alagoas, extasiados com a sua
intrepidez em ganhar a qualquer preço. O destemor do alpinista, que ou chega ao topo da montanha, e é tudo seu, montanha e glória, ou morre. Ou como o jogador de pôquer, que blefa e não treme, que blefa rindo e cujos olhos indecifráveis intimidam o adversário. E joga tudo. E vence. No blefe.

Você, Renan não tem alma, só apetites, dizem. E quem na política brasileira a tem? Quem neste Planalto, “centro das grandes picaretagens nacionais” atende no seu comportamento a razões e objetivos de interesse público? ACM, que na iminência de ser cassado, escorregou pela porta da renúncia e foi reeleito como o grande coronel de uma Bahia paradoxal, que exibe talentos com a mesma sem cerimônia com que cultiva corruptos? José Sarney, que tomou carona com Carlos Lacerda, com Juscelino, e, agora, depois de ter apanhado uma tunda de você, virou seu “pai velho”, passando-lhe a alquimia de 50 anos de malandragem? Quem tem autoridade moral para lhe cobrar coerência de princípios? O presidente Lula, que deu o “golpe do operário”, no dizer de Brizola, e hoje “hospeda” no seu Ministério um office boy do próprio Brizola? Que taxou os aposentados, que não o eram, nem no Governo de Collor, e dobrou o Supremo Tribunal Federal? No velho dizer dos canalhas, “todos fazem isto”, mentem, roubam, traem. Assim, senador, você é apenas o mais esperto de todos, que, mesmo com fatos gritantes de improbidade, de desvio de conduta, pública e privada, tem a quase unanimidade deste Senado de Quasimodos morais para “blinda-lo”. E um moço de aparência simplória, com um nome de pé de serra, Siba, é o camareiro de seu salvo conduto para a impunidade, e fará de tudo, para que a sua bandeira, absolver Renan no Conselho de Ética, consagre a “sua carreira”. Não sei se este Siba é prefixo de sibarita, mas, como seu advogado in pectore, vida de rico ele terá garantida. Cabra bom de tarefa, olhem o jeito sestroso com que ele defende o “chefe”. É mais realista que o Rei. E do outro lado, o xerife da ditadura militar, que, desde logo, previne: “quero absolver Renan”. Que Corregedor! Que Senado!

Vou reproduzir aqui o que você declarou possuir de bens em 2002 ao TRE. Confira, tem a sua assinatura: 1) Casa em Brasília, Lago Sul, R$ 800 mil, 2) Apartamento no edifício Tartana, Ponta Verde, R$ 700 mil, 3) Apartamento no Flat Alvorada, DF, de R$ 100 mil, 4) Casa na Barra de S Miguel de R$ 350 mil E SÒ. Você não declarou nenhuma fazenda nem uma cabeça de gado!! Sem levar em conta que seu apartamento no Edifício Tartana vale, na realidade, mais de R$ 1 milhão e sua casa na Barra de São Miguel, comprada de um comerciante farmacêutico, vale R$ 3.000.000.

Só aí, Renan, você DECLARA POSSUIR UM PATRIMONIO DE CERCA DE R$ 5.000.000. Se você, em 24 anos de mandato, ganhou BRUTOS, R$ 2 milhoes, como comprou o resto? E as fazendas, e as rádios, tudo em nome de laranja? Que herança moral você deixa para seus descendentes. Você vai entrar na história de Alagoas como um político desonesto, sem escrúpulos e que trai até a família. Tem certeza de que vale a pena?

Um vez, há poucos anos, perguntei a você como estava o maior latifundiário de Murici. E você respondeu: “Não tenho uma tarefa de terra. A vocação de agricultor da família é o Olavinho”. É verdade, especialmente no verde das mesas de pôquer!

O Brasil inteiro, em sua maioria, pede a sua cassação. Dificilmente você será condenado. Em Brasília, são quase todos cúmplices. Mas olhe no rosto das pessoas na rua, leia direito o que elas pensam, sinta o desprezo que os alagoanos de bem sentem por você e seu comportamento desonesto e mentiroso.

Hoje, perguntado, o povo fecharia o Congresso. Por causa de gente como você!

Mendonça Neto

Vi no site do Jornal Extra de Alagoas

Ação contra jornal alarma Equador

As recentes pressões do presidente equatoriano, Rafael Correa, contra a imprensa de seu país revelam um quadro preocupante no que se refere à liberdade de imprensa em mais uma nação latino-americana. As relações entre o presidente equatoriano e os meios de comunicação estão estremecidas desde maio, quando ele resolveu abrir um processo contra o diretor-presidente do jornal La Hora, Francisco Vivanco, por um editorial que dizia que Correa governava com ‘tumultos, pedras e paus’. ‘Esse processo mostra uma escalada de violência por parte do governo, que vem desqualificando permanentemente os meios de comunicação no país’, afirmou Vivanco, por telefone, ao Estado. De acordo com o presidente do La Hora, toda a imprensa equatoriana viu o episódio como uma ameaça clara à liberdade de expressão no Equador.

O Estado de São Paulo

Tributos em presente para namorado pode chegar a 50%

Quem quer presentear o namorado ou a namorada neste Dia dos Namorados deve preparar o bolso. É o que revela a pesquisa divulgada nesta segunda-feira pela VerbaNet Legislação Empresarial Informatizada, empresa que atua na área legal e empresarial. A pesquisa mostra que a carga tributária incidente nos produtos adquiridos pode ultrapassar a casa dos 50%, como no caso de um perfume importado, que chega a 52,40%.

Segundo o levantamento, o Dia dos Namorados não se diferencia de outras datas comemorativas quando o tema é a tributação incidente nos presentes, que leva aos cofres públicos uma parcela significativa do valor pago.

O levantamento avaliou a carga tributária incidente em 23 itens, dentre os mais procurados pelos namorados, segundo o comércio varejista. As menores tributações foram conferidas em livro e flores in natura, com 13,88% do preço final. De modo geral, segunda a VerbaNet, o Brasil tem hoje carga tributária perto de 40%.

Passar a noite com a namorada num hotel, sem os gastos extras, tem carga tributária por volta dos 27%. Entre os produtos que lideram a lista dos mais vendidos e preferidos está o telefone celular com câmera, tributado em 27,08%. Já o CD e o DVD têm 36 65% de seu valor recolhido aos cofres públicos.

Chávez pede que partidários doem bens que não usam

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu aos 5 milhões de venezuelanos inscritos em seu partido que abram mão de bens que não usam, como “uma geladeira, um caminhão ou um ventilador a mais” para se tornarem “verdadeiros socialistas”. Chávez disse que ficaria contente se “apenas cinco pessoas, nos cinco milhões se apresentassem.”Quem tem uma geladeira da qual não necessita, que a coloque na Praça Bolívar (em Caracas). Quem tem um caminhão do qual não precisa, um ventilador, um fogão… desprendam-se de algo. Não sejamos egoístas. Eu exijo!”, afirmou o líder venezuelano durante o programa Alô Presidente transmitido ontem para todo o país.

Chávez ressaltou que, ao contrário de Jesus Cristo, nunca pedirá aos venezuelanos para darem “toda a sua riqueza para os mais carentes”, mas apenas aquelas desnecessárias. Ele prometeu doar US$ 250 mil do próprio bolso – um prêmio recebido da Líbia – para dar início à campanha. “Vamos ver quem segue o exemplo”, desafiou, acrescentando que só quer em seu partido “verdadeiros socialistas”.

Àqueles que não tem riquezas, o pedido foi outro: “façam trabalho voluntário nos sábados e domingos, sem cobrar nada, para ajudar às comunidades. Não há revolução socialista sem trabalho voluntário”, afirmou o líder venezuelano. Desde que assumiu seu terceiro mandato, em janeiro, Chávez está promovendo uma série de reformas para implementar na Venezuela o modelo que ele chama de socialismo do século XXI. A Cantv, operadora de telefonia e maior empresa privada do país, teve sua reestatização oficializada há um mês como parte dessas reformas, que também incluíram a criação do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) para reunir todos ramos do chavismo.

Inspirado no líder cubano Fidel Castro, Chávez não se casa de atacar os “valores consumistas” dos países capitalistas. No entanto, boa parte dos venezuelanos parecem não concordar com tais críticas. De acordo com algumas pesquisas, mais de 80% da população rejeita a implementação no país de um regime semelhante ao que existe em Cuba e 45% vêem com desconfiança o socialismo do século XXI.

Graças aos altos preços do petróleo e ao descontrole dos gastos públicos, a Venezuela vive um boom de consumo como nenhum outro país latino-americano. Só no último ano, as vendas de roupas e calçados aumentaram 130% e as de alimentos, mais de 20%. A fila de espera para comprar alguns automóveis chega a dois anos e, por falta de investimentos no setor produtivo, há períodos em que açúcar e carne somem das prateleiras dos supermercados.

Agência Estado

Manchetes do Dia (12/06)

Jornal de Notícias: Crueldade

O Tempo: MP vai monitorar Orkut em Minas

Hoje em Dia: MP manda Câmara demitir

Estado de Minas: Planalto arma operação para isolar Lula de Vavá