Veja 3 – Uma vitória contra o porno-marxismo

(…)
Ao se interessar pelo material didático usado na escola da filha, a dona-de-casa Mírian Macedo, 53 anos (foto acima), levou um susto. Ela correu ao Colégio Pentágono, de São Paulo, um dos que aplicam as apostilas, decidida a cancelar a matrícula da filha. Luísa, de 15 anos, estudava lá havia nove. Mírian condensou as passagens que soavam a ela como “panfletagem grosseira” em um texto no qual denuncia o que chama de “Porno-marxismo”. Em março, o artigo da dona-de-casa passou a circular na internet. O caso acabou na Justiça. Por meio de uma liminar, o COC exigiu a retirada do nome da instituição do documento. Há duas semanas, a Justiça reavaliou a questão e deu a Mírian o direito de divulgar a versão original. O COC, por sua vez, avisou que fará uma revisão de suas apostilas, usadas por 220.000 estudantes. Reconhece Chaim Zaher, o dono do grupo: “Erramos mesmo”.
(…)
Apostilas e livros didáticos adotados pelas escolas brasileiras estão contaminados pela doutrinação política esquerdizante. Resume o sociólogo Simon Schwartzman: “As crianças não aprendem mais o nome dos rios ou as datas relevantes da história da humanidade. Elas estão tendo contato com uma ciência social superficial, marcada pela crítica marxista vulgar”.
(…)
O colégio onde estuda a filha reagiu com coragem e correção. Não renovou o contrato com o COC e mandou tirar de sua própria apostila o texto em questão. Assinante lê íntegra aqui

Foto: Roberto Setton

Curioso para ler o texto da Sra. Mírian Macedo? Segue abaixo:

Acabei de tirar minha filha, de 14 anos, do Colégio Pentágono/COC (unidade Morumbi – São Paulo) em protesto contra o método pedagógico “porno-marxista” adotado pela escola no ensino médio este ano. O sistema COC, que começou como cursinho pré-vestibular há cerca de 40 anos em Ribeirão Preto-SP, está implantado hoje em mais de 150 escolas em todo Brasil, atingindo cerca de 200 mil alunos. O Pentágono – que, além do Morumbi, tem colégios em Alphaville e Perdizes – é uma das escolas-parceiras.
As provas de desvio moral-ideológico são incontáveis. Numa apostila de redação, a escola ensina “como se conjuga um empresário” e, para tanto, fornece uma seqüência de verbos retratando a rotina diária deste profissional:

“Acordou, barbeou-se… beijou, saiu, entrou… despachou… vendeu, ganhou, lucrou, lesou, explorou, burlou… convocou, elogiou, bolinou, estimulou, beijou, convidou… despiu-se… deitou-se, mexeu, gemeu, fungou, babou, antecipou, frustrou… saiu… chegou, beijou, negou, etc., etc.”.

A página 4 da apostila de Gramática ostenta a letra de uma música de Charlie Brown Jr, intitulada Papo Reto (Prazer É Sexo O Resto É Negócio) – assim mesmo, tudo em maiúscula, sem vírgula. Está escrito:
“Otário, eu vou te avisar:/ o teu intelecto é de mosca de bar/ (…) Então já era,/ Eu vou fazer de um jeito que ela não vai esquecer”.

Noutro exemplo, uma letra de Vitor Martins, da música Vitoriosa:
“Quero sua alegria escandalosa/ vitoriosa por não ter vergonha/ de aprender como se goza”.

As apostilas de História e Geografia, pontilhadas de frases-epígrafes de Karl Marx e escritas em ‘português ruim’, contêm gravíssimos erros de informação e falsificação de dados históricos. Não passam, na verdade, de escancarados panfletos esquerdejosos que as frases abaixo, copiadas literalmente, exemplificam bem:
“Sabemos que a história é escrita pelo vencedor; daí o derrotado sempre ser apresentado como culpado ou condições de inferioridade (sic). Podemos tomar como exemplo a escravidão no Brasil, justificada pela condição de inferioridade do negro, colocado (sic) como animal, pois era ‘desprovido de alma’. Como catequizar um animal? Além da Igreja, que legitimou tal sandice, a quem mais interessava tamanha besteira? Aos comerciantes do tráfico de escravos e aos proprietários rurais. Assim, o negro dava lucro ao comerciante, como mercadoria, e ao latifundiário, como trabalhador. A história pode, dessa forma, ser manipulada para justificar e legitimar os interesses das camadas dominantes em uma determinada época”.

Sandice é dizer que a Igreja legitimou a escravidão. Em 1537, o Papa Paulo III publicou a Bula Veritas Ipsa (também chamada Sublimis Deus), condenando a escravidão dos ‘índios e as mais gentes’. Dizia o documento, aqui transcrito em português da época que “com authoridade Apostolica, pello teor das presentes, determinamos, & declaramos, que os ditos Indios, & todas as mais gentes que daqui em diante vierem á noticia dos Christãos, ainda que estejão fóra da Fé de Christo, não estão privados, nem devem sello, de sua liberdade, nem do dominio de seus bens, & que não devem ser reduzidos a servidão”.

Outra pérola do samba do crioulo doido, extraída da apostila de História:
“O progresso técnico aplicado à agricultura (…) levou o homem a estabelecer seu domínio sobre a produção agrícola em detrimento da mulher”.

Ok, feministas. Agora, tratem de explicar a importância e o poder das inúmeras deusas na mitologia dos povos mesopotâmicos, especialmente Inana/Ishtar, chamada de Rainha do Céu e da Terra, Alta Sacerdotisa dos Céus, Estrela Matutina e Vespertina e que integrava, com igual poder, a Assembléia dos Deuses, ao lado de Anu, Enlil, Enki, Ninhursag, Nana e Shamash. Na Suméria,”tanto deuses quanto deusas eram patronos da cultura; forças tanto femininas quanto masculinas estavam envolvidas com a criação da civilização. A realidade dos papéis das mulheres dentro de casa estava em perfeito acordo com a projeção destes papéis no mundo divino”. (Tikva Frymer-Kensky em seu livro de 1992, In the Wake of Goddesses: Women, Culture and Transformation of Pagan Myth. Fawcet-Columbine, New York.

Mais delírio marxista de viés esquerdológico:
“Estas transformações provocaram a dissolução das comunidades neolíticas, como também da propriedade coletiva, dando lugar à propriedade privada e à formação das classes sociais, isto é, a propriedade privada deu origem às desigualdades sociais – daí as classes sociais – e a um poder teoricamente colocado acima delas, como árbitro dos antagonismos e contradições, mas que, no final de tudo, é o legitimador e sustentáculo disso: o Estado”. (Definição de propriedade privada, classes sociais e de Estado, em sentido marxista, no neolítico, nem Marx!).

Calma, não acabou: No capítulo sobre a Mesopotâmia, a apostila informa que o deus Marduk (grafado Manduque) ordenou a ‘Gilgamés’ que construísse uma arca para escapar do dilúvio. (Gilgamesh é, na verdade, descendente do Noé caldeu/sumério, chamado Utnapishtin/Ziusudra. É Utnapishtin que conta a Gilgamesh a história da arca e do dilúvio. Há versões em que Ubaretut, filho de Enki, é que é o verdadeiro Noé; Utnapishtin apenas revela a história do dilúvio a Gilgamesh).

Outro trecho informa que o “dilúvio seria enviado por Deus, como castigo às cidades de Sodoma e Gomorra”. (Em Genesis (19,24), lê-se: “O Senhor fez então chover do céu enxofre e fogo sobre Sodoma e Gomorra”. Além disto, a destruição de Sodoma e Gomorra nada tem a ver com Noé e sim, com o patriarca Abraão e seu sobrinho Ló).

Outros achados:
“Diz a tradição que Sargão era filho de um jardineiro, o que nos faz pensar que, nesta época, como era possível alguém das chamadas camadas baixas da sociedade, ter acesso ao poder?”. (Que reflexão revolucionária! E que estilo!).

No capítulo “Geografia das contradições” lê-se: “Uma das graves contradições relaciona-se à economia: na sociedade capitalista quase todos trabalham para gerar riquezas, mas apenas uma minoria burguesa se apropria dela (sic) (…) Por outro lado, é necessário compreender que a sociedade foi e é organizada por meio das relacões sociais de produção. Entre nós, e na maioria dos países, temos o modo de produção capitalista, em que a relação básica é representada pelo trabalho. Nele encontram-se os proprietários dos meios de produção e os trabalhadores que, não possuindo os meios de produção, vendem sua força de trabalho”. (Marxismo puro, simples assim).

O mais grave é que estas apostilas, de viés ideológico explícito, vêm sendo adotadas por um número cada vez maior de escolas no País. Além das escolas próprias, o COC faz parcerias com quem queira adotar o sistema, como aconteceu este ano com o Colégio Pentágono, onde minha filha estuda desde o primário. Estas apostilas têm de ser proibidas e as escolas-parceiras e o COC têm de ser responsabilizados. É a escuridão reinante.

Anúncios

4 comments so far

  1. Roberto A. Fernandes on

    Faz parte da tradição da esquerda reescrever a História, a seu gosto. Anos atrás surpreendí no livro de História do Brasil de meu filho, um capítulo sobre a Guerra do Paraguai que começava com a seguinte frase: “O Paraguai era o paraiso sobre a Terra”. Seguia-se um texto delirante em que era descrito um Nirvana patrocinado pelo ditador paraguaio Solano López e uma enxurrada de ofensas dirigidas ao Exército e Império brasileiros. Uma panfletagem alucinada, com total desprezo pela verdade histórica, que se enquadra bem no estilo porno-marxismo. Confrontada com esse texto, a Diretora da escola afirmou que aquele era o livro-texto adotado em toda rede municipal do Rio de Janeiro e me encaminhou ao Professor de História. Em poucos minutos de conversa o aludido Professor estava dissertando sobre Cuba e suas maravilhas. Ensino que é bom…
    Textos sobre a Guerra do Paraguai denegrindo o Brasil e suas Forças Armadas foram comuns na década de 1970 e foram produzidos por esquerdistas ressentidos com o então governo militar. Mais tarde ficou demonstrado (Suplemento “Revendo a Revisão”, do jornal Folha de São Paulo; Maldita Guerra, do Professor Francisco Doratiolato) que a fonte de tais textos nada tinha de histórica: a versão havia sido encomendada pelo ditador Strossner a um panfletário de aluguel, visando produzir heróis e dar substância à ditadura paraguaia. Uma versão esquizofrênica, produzida pela direita paraguaia serviu à esquerda brasileira e deu filhotes. É muito difícil quantificar o mal produzido.

  2. Carlos Renato Florio de Oliveira on

    Os autoentitulados “sistemas de ensino” das grandes corporações educativas visam exclusivamente homogenizar o processo educativo, facilitar a administração do grande negócio da educação. Através da carta da Sr. Mírian Macedo percebe-se que as apostilas estão totalmente descomprometidas com a qualidade do ensino, privilegiando algumas “fórmulas” para serem aplicadas no vestibular.
    Estas escolas estão muito mais preocupadas em formar alunos capazes de passar nos vestibulares, ENEM, e demais concursos, do que formar consciência crítica. É assim que eles fazem a sua propaganda, mostrando-se como “máquinas de aprovar”, amealhando milhares de alunos que pagam fortunas por um “ensino de qualidade”.
    Como professor do ensino médio apenas faço uma resalva: não pude identificar uma só gota de Marx ou de ciência social nos fragmentos apresentados. Me parece mais um malabarismo que pretende justificar a matéria sobre os ombros de grandes autores. Em suma: PICARETAGEM! A Sra. Mírian mereceria um prêmio pela coragem e pela iniciativa de desmascarar a pretensa qualidade de ensino dessa coorporação, que recentemente lançou-se ao ensino superior à distância. Parabéns! Que isso sirva de lição a quem quer que seja que trate a educação com esse desrespeito.

  3. Claudio on

    “As crianças não aprendem mais o nome dos rios ou as datas relevantes da história da humanidade. Elas estão tendo contato com uma ciência social superficial, marcada pela crítica marxista vulgar”.

    Concordo com muitas coisas supracitadas, discordo de outras, em especial: “não aprendem mais o nome dos rios ou as datas relevantes da história da humanidade”. Acredito que realmente sejam necessárias mudanças na maneira como se tratam as ciências socias, que ela é superficial, tal qual como nome de rios e datas importantes para humanidade.

  4. Vanessa on

    É claro.
    O fundamental é que os jovens do país continuem acreditanto que a fome, a miséria, e demais problemas sociais estão totalmente dissociados de suas vidas.
    Ainda, a quem interessa saber a verdade: que sim, a luta de classes persiste?
    Por favor, não desçam das nuvens. A realidade pode ferir seus olhos.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: